5 idiomas antigos que nunca foram decifrados

Em 19 de julho de 1799, a pedra de Rosetta foi descoberta. A pedra, que tem o mesmo texto antigo escrito em egípcio e grego, ajudou os estudiosos a decifrar a antiga escrita egípcia. Mesmo assim, ainda há uma série de línguas antigas que aguardam a decifração completa. Nesta lista, adaptada por nós a partir de uma pesquisa do Live Science, examina cinco desses idiomas misteriosos.

Escrita meroítica

De 300 aC a 350 dC, o Reino de Kush esteve centralizado na cidade de Meroe (Sudão) e seu povo usou uma língua chamada meroítica para escrever textos, disse Claude Rilly, diretor da missão arqueológica francesa em Sedeinga.

“Meroítico foi escrito em duas escritas: a cursiva e em hieróglifos, ambos derivados da escrita dos egípcios”, explicou Rilly. “Os escritos foram decifrados entre 1907 e 1911 por F. Ll. Griffith, mas o conhecimento da própria linguagem ainda permanece incompleto”. Sem entender a linguagem, os estudiosos têm dificuldade em traduzir os textos com precisão.

Linguagem do Vale do Indo

A civilização do Vale do Indo floresceu no que hoje é o Paquistão, Índia, Afeganistão e Irã há cerca de 4.000 anos e teve seu declínio durante um período de mudanças climáticas antigas. As pessoas que moravam na Mesopotâmia tinham um relacionamento comercial ativo com eles e se referiam a eles como Meluhhans em alguns textos da Mesopotâmia.

O sistema de escrita usado pelas pessoas da civilização do Vale do Indo não foi decifrado, mas faz uso de uma série de sinais. Os estudiosos esperam que um dia seja encontrado um texto que esteja escrito tanto na língua do Vale do Indo quanto em uma língua mesopotâmica que já é conhecida. Se tal texto existe, poderia ser encontrado no Iraque ou nas costas da Arábia, onde ocorriam negociações entre a Mesopotâmia e a civilização do Vale do Indo.

Linear A

O Linear A é um sistema de escrita não decifrado que foi usado pelos minoicos antigos que floresceram em Creta entre aproximadamente 2500 aC e 1450 aC. A existência do roteiro foi observada pela primeira vez pelo arqueólogo Arthur Evans, que escavou a cidade minoica de Knossos.

Proto-elamita

Um sistema de escrita que os estudiosos chamam de Proto-elamita foi usado no atual Irã há cerca de 5.000 anos atrás. Um dos primeiros sistemas de escrita utilizados pelos humanos, mas ainda assim continua a ser descifrado.

Muitos dos textos sobreviventes estão atualmente no Museu do Louvre.

Cipro-minoico

Um sistema de escrita que os estudiosos chamam de cipro-minoico foi amplamente utilizado no Chipre entre o final do século XVI aC e o início do século XI aC. Apenas cerca de 200 textos de cipro-minoicos ainda sobrevivem, dos quais “a maioria é muito curta”, escreveu Nicolle Hirschfeld, professora da Universidade Trinity de San Antonio.

O pequeno número de textos cipro-minoicos sobreviventes e o comprimento de muitos desses textos os tornam difíceis de se decifrar.

Traduzido e adaptado de Live Science.

Você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...