A sonda Cassini da NASA obtém as melhores imagens do hexágono de Saturno

71

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

O grande sistema de nuvens estranhamente simétricas de Saturno tem aproximadamente 30.000 km quilômetros de diâmetro, e é absolutamente único no nosso sistema solar. No centro do hexágono gira um furacão cerca de cinquenta vezes maior do que a média dos furacões da Terra. Sobre ele giram vários vórtices menores, presos em correntes de jato do hexágono, que roda no sentido horário, até que o furacão central, e a parte externa do hexágono, gire na direção oposta. Essas tempestades menores são visíveis na imagem acima como formas ovais avermelhadas. O maior dos pequenos vórtices, que aparece em branco no canto inferior direito do hexágono, tem cerca de 3.500 quilômetros – cerca do dobro dos maiores furacões da Terra.

saturno

A imagem abaixo em menor resolução é resultado de uma composição de 19 imagens capturadas em junho deste ano; apesar de acelerada, as imagens cobrem 2 horas e 45 minutos do tempo real.

saturno

A sequência de 8 quadros no topo do post, é na verdade uma combinação de dados de 128 imagens capturadas ao longo de dez horas do dia 10 de dezembro de 2012. Cada quadro consiste em 16 imagens projetadas: quatro por filtro de cor, quatro filtros por quadro. O uso desses filtros, e o detalhe das imagens, são o que fazem essa animação se destacar. De acordo com a NASA, é o primeiro filme do hexágono desse tipo, e o primeiro a mostrar uma vista do topo de Saturno .

Segundo o cientista Andrew Ingersoll, a tempestade já dura diversas décadas e, provavelmente, durará séculos. “O hexágono é apenas uma corrente de ar, e recursos de clima por aí que compartilham semelhanças com este são notoriamente turbulentos e instáveis”, continuou.

“Conforme nos aproximarmos do solstício de verão de Saturno de 2017, as condições de luz no pólo norte vão melhorar, e estamos animados para detectar as mudanças que ocorrem tanto dentro quanto fora do hexágono”, continuou o cientista Scott Edgington.

Fonte: NASA

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...