Cemitério é encontrado abaixo de universidade no Reino Unido

18

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

E se você descobrisse que a sua Universidade já foi, há muito tempo, um cemitério? Os estudantes da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, vivem exatamente esta realidade. Recentemente, arqueólogos tiveram a oportunidade de escavar um dos maiores cemitérios hospitalares do Reino Unido, por parte de um projeto para restaurar o Old Divinity School, da St. John’s College (parte da Universidade de Cambridge). Os pesquisadores desenterraram mais de quatrocentos cadáveres completos, além de evidências de mais de mil.

De acordo com Craig Cessford, a maioria dos cadáveres data do século 13 ao 15. Cessford é arqueólogo na Universidade de Cambridge, e liderou a escavação, publicando os resultados na última edição da Archaeological Journal. O cemitério foi utilizado pelo Hospital of St. John the Evangelist, que existiu de 1195 até 1511. A Old Divinity School foi construída no topo do cemitério no final do século 19, diz uma publicação do ‘Live Science’.

cemiterio

De acordo com referências históricas, o hospital foi criado com o intuito de receber estudantes pouco avantajados financeiramente, além de outras pessoas de classes inferiores. Entretanto, mulheres grávidas, leprosos, aleijados e pessoas com problemas mentais eram explicitamente excluídas, disse Cessford. Isso foi refletido nos resultados do estudo.

A ausência de crianças e a pequena quantidade de mulheres jovens no cemitério indica que realmente o hospital não ligava para mulheres grávidas. Pouquíssimos esqueletos carregavam traços de doenças sérias e machucados que tenha requerido atenção médica, disseram os pesquisadores. E não existem enterros em massa que pareçam estar relacionados com a Peste Negra, que teve seu pico na Europa de 1348 até 1350, e matou pelo menos 75 milhões de pessoas.

“Isso pode estar nos dizendo que o principal objetivo do hospital era o cuidado físico e espiritual dos pobres e enfermos, em vez do tratamento dos doentes e feridos”, escreveu Cessford. “Alguns indivíduos, particularmente aqueles que sofriam com múltiplas condições poderiam ser beneficiados com tratamento médico, mas esses representavam uma minoria dos enterros e não existe evidência direta de tratamentos que possam ter ocorrido”.

Fonte: LiveScience

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...