Cerca de 95% da população mundial têm problemas de saúde

12

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Se você está atualmente sofrendo com tosse, resfriado ou alguma doença um pouco mais séria, tenha certeza que não está sozinho. Em um grande estudo internacional, foi revelado que pelo menos 95% da população mundial tem problemas de saúde. Além disso, cerca de um terço (aproximadamente 2,3 bilhões), têm mais de cinco problemas de saúde.

O estudo, conduzido pelo ‘The Lancet’, analisou cerca de 35 mil fontes de dados abrangendo 23 anos e 188 países. Esse é a maior e mais detalhada investigação de padrões globais de doenças e sobre como elas mudaram entre 1990 e 2013, diz o portal ‘IFFCG’. Os autores descobriram que enquanto as taxas de mortalidade estão diminuindo, as taxas de pessoas que vivem com doenças e incapacidades estão caindo em uma velocidade muito menor. A equipe sugere que iniciativas de saúde precisam fazer mais que focar apenas em taxas de mortalidade, já que essas não dizem tudo sobre a saúde global.

problemas de saúde

“O fato da mortalidade estar declinando mais rápido que as taxas de pessoas com doenças não mortais e lesões evidencia a importância de dar mais atenção a crescente perda de saúde, e não apenas focar na redução da mortalidade”, disse Theo Vos, autor principal do estudo e professor de saúde global na Universidade de Washington. Como exemplo, os cientistas mostraram que enquanto as taxas de diabetes cresceram 43%, a taxa de morte por diabetes cresceu apenas 9%.

Durante o período de 23 anos do estudo, os pesquisadores demonstraram que a mais comum causa de perda de saúde ainda não mudou essencialmente. Dor lombar, depressão e perda auditiva relacionada à idade, entre outros problemas, ainda dominam o topo da lista de problemas de saúde. O que os pesquisadores descobriram, entretanto, é que o número de “anos de vida saudável perdidos por conta de doenças” aumentou em 10% durante as últimas duas décadas.

A principal razão para isso é o declínio nas taxas de mortalidade, significando que à medida que a população cresce o número de idosos aumenta, existem mais pessoas vivendo com condições de saúde que afetam pessoas de mais idade. Os autores alertam que esse problema pode aumentar nos próximos anos.

“A prevenção das causas de perda de saúde, particularmente as desordens musculoesqueléticas e mentais, não recebeu a atenção que ela merece. Tratar dessas questões exigirá uma mudança nas prioridades de saúde em todo o mundo – não mais apenas manter as pessoas vivas na velhice, mas também mantê-las saudáveis”, concluiu Vos.

Fonte: IFFCG

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...