Cientistas acreditam que objetos misteriosos encontrados na Via Láctea podem ser megaestruturas alienígenas

por Lucas
0 comentário 664 visualizações

Imagine isso: civilizações alienígenas avançadas construindo estruturas enormes no espaço para capturar energia de suas estrelas. Parece ficção científica, certo? Mas o físico britânico-americano Freeman Dyson achou que isso poderia ser real. Em 1960, ele propôs que extraterrestres superinteligentes poderiam criar megaestruturas, mais tarde chamadas de “esferas de Dyson”, para aproveitar a energia de suas estrelas. A parte legal? Essas estruturas emitiriam calor residual detectável como radiação infravermelha.

Avançando para agora. Com nossas ferramentas de alta tecnologia, cientistas decidiram caçar essas esferas de Dyson usando dados infravermelhos de telescópios. Eles visavam detectar calor infravermelho próximo a estrelas que não tinham outras explicações. Adivinha? Eles encontraram alguns candidatos intrigantes.

Liderando essa história de detetive cósmico está Matías Suazo, um estudante de doutorado da Universidade de Uppsala na Suécia. Ele e sua equipe vasculharam dados de 5 milhões de estrelas, filtrando o máximo de ruído possível. No final, eles identificaram sete fontes misteriosas brilhando no espectro infravermelho. Essas estrelas, conhecidas como M-anãs, são menores e menos massivas que o nosso sol.

Então, qual é o lance com essas M-anãs brilhando? Elas poderiam estar sinalizando a presença de esferas de Dyson, mas vamos segurar a empolgação por enquanto. Fenômenos naturais ainda podem explicar essas anomalias infravermelhas. As descobertas de Suazo, publicadas no mês passado, são tentadoras, mas não definitivas.

Enquanto isso, pesquisadores da Escola Internacional de Estudos Avançados na Itália encontraram 53 estrelas com excessos semelhantes de infravermelho médio. Poderiam esses ser mais candidatos a esferas de Dyson? Talvez. Mas antes de ficarmos muito animados, tem um porém. A Popular Mechanics aponta que essas descobertas também podem resultar de Discos de Detritos Extremos, nuvens de poeira cósmica natural que poderiam imitar a assinatura infravermelha de uma esfera de Dyson.

Então, aqui estamos com um punhado de estrelas fazendo um show de luzes infravermelhas. Estamos olhando para megaestruturas alienígenas ou apenas algumas nuvens de poeira cósmica? Não sabemos. Mas uma coisa é certa: a caça por vida extraterrestre ficou muito mais interessante. E quem sabe? Talvez um dia descobriremos se a ideia maluca de Dyson estava certa. Até lá, continue olhando para o céu. A verdade pode estar lá fora, escondida em plena radiação infravermelha.

Tipos de civilização

As civilizações alienígenas são frequentemente classificadas utilizando a Escala de Kardashev, proposta pelo astrofísico russo Nikolai Kardashev em 1964. Essa escala categoriza civilizações com base na quantidade de energia que conseguem utilizar. Uma Civilização Tipo I é capaz de usar toda a energia disponível em seu planeta natal. Esta civilização teria tecnologia avançada o suficiente para controlar o clima, prevenir terremotos e aproveitar a energia de vulcões. Atualmente, a humanidade ainda não alcançou esse nível, estando estimada em cerca de 0,73 na escala.

Uma Civilização Tipo II pode capturar toda a energia irradiada por sua estrela, o que é onde entraria a construção das esferas de Dyson. Esse tipo de civilização teria a capacidade de construir estruturas gigantescas em torno de sua estrela para maximizar a captação de energia. Por fim, uma Civilização Tipo III conseguiria utilizar a energia de uma galáxia inteira, tendo domínio sobre inúmeras estrelas e sistemas planetários. Tais civilizações seriam incrivelmente avançadas, capazes de manipular a energia em escalas que atualmente podemos apenas imaginar.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.