Como nós evoluímos para lutar contra as doenças que nos contaminam

Créditos: DYLAN BECKSHOLT/ALAMY

É fácil sentir que nossa sobrevivência está ameaçada por novas doenças infecciosas e emergentes que poderiam acabar com a raça humana, ou pelo menos com nosso modo de vida atual. Os recentes surtos de ebola reativaram nosso interesse em pandemias e nos lembraram a nossa fragilidade potencial em face de um inimigo esmagador.

Com tantos micróbios capazes de nos sequestrar e destruir, como nós somos como uma espécie tão duradoura? Os seres humanos são únicos no mundo. Nós somos ávidos “colecionadores” de doenças infecciosas adquiridas em nosso ambiente ao longo da evolução.

Compartilhamos com nossos invasores a necessidade de sobreviver e propagar nossos genes. Os agentes patogênicos infecciosos, como bactérias e vírus, são parasitas – eles precisam encontrar e infectar um hospedeiro suscetível de mantê-las e propagá-las. Portanto, não é do seu interesse nos matar. Nosso relacionamento com agentes patogênicos é moldado por nossa capacidade de evoluir geneticamente, modificar nosso comportamento ou forçar os agentes patogênicos a evoluir para que possamos sobreviver.

Vírus como a gripe se replicam e se espalham para novos hospedeiros antes que o hospedeiro original fique com sintomas de gripe, o que significa que o parasita pode sobreviver e prosperar em novos hospedeiros. Em raras ocasiões, a morte do hospedeiro é necessária para que o patógeno se reproduza.

Como nos adaptamos para ganhar a luta

As pressões evolutivas através da seleção natural e a sobrevivência do mais apto moldam a vida na Terra. A habilidade inata de se adaptar permitiu que os humanos desenvolvessem mecanismos de defesa para combater alguns dos agentes patogênicos mais devastadores.

A malária é um parasita dos glóbulos vermelhos, que causou 429 mil mortes em 2015, segundo algumas estimativas. Não está claro quando a malária tornou-se uma doença humana (pensa-se que se originou em primatas). Sabemos apenas que ela surgiu há tempo suficiente para que os humanos tenham desenvolvido defesas inatas.

A mutação das células falciformes é um transtorno sanguíneo potencialmente fatal visto principalmente na África. Esta mutação em um gene de hemoglobina é uma das várias características genéticas que realmente protegem contra a malária. As pessoas que têm essa mutação genética são protegidas contra a malária e podem transmitir sua vantagem evolutiva.

Uma segunda mutação genética que protege os humanos contra a malária afeta uma enzima essencial para a função dos glóbulos vermelhos. Mas indivíduos com esta mutação também podem desenvolver anemia fatal devido à destruição de glóbulos vermelhos como efeito colateral do tratamento com alguns medicamentos modernos.

Talvez a parte mais significativa e maravilhosa da evolução que permite à raça humana manter um passo à frente dos patógenos é o Complexo Principal de Histocompatibilidade (MHC). O MHC – proteínas na superfície de nossos glóbulos brancos – evoluiu junto com os vertebrados, o que o faz ser o nosso mecanismo de defesa mais antigo.

Temos diferentes tipos de células brancas: as móveis no sangue (linfócitos) e as residentes nos linfonodos (macrófagos). Quando há uma infecção, os macrófagos destruirão os responsáveis e as proteínas “presentes” do organismo em sua superfície como sinais.

Os linfócitos que contêm moléculas de MHC reconhecem essa proteína e se ligam. Nosso sistema imunológico possui “células de memória” que são produzidas após a vacinação ou infecções passadas para que possamos lembrar como lutar contra elas na próxima.

A capacidade do nosso corpo de “lembrar” as infecções passadas é uma das razões pelas quais toda a população de Londres não pereceu durante a peste negra. As moléculas de MHC são transmitidas à nossa prole, o que explica por que temos uma grande variedade dessas moléculas. Quando uma doença entra em uma população pela primeira vez, é sempre mais letal do que nas vezes subsequentes porque algumas pessoas se tornam imunes, assim como seus filhos.

Nem todos os agentes patogênicos nos tornam mais fortes

Nem toda a co-evolução leva a mudanças na genética humana, especialmente se não houver impacto na nossa capacidade de procriar. A tuberculose humana é uma doença crônica que continua a flagelar o mundo com pouca evidência de que os humanos desenvolveram qualquer capacidade de resistir à infecção. Isso é interessante porque é provável que tenha evoluído de forma co-evolutiva conosco desde o tempo neolítico.

Continuaremos a enfrentar doenças novas e emergentes. Até agora, nossa capacidade de se adaptar e responder nos ajudou, mas alguns cientistas acreditam que os seres humanos não estão mais evoluindo devido à remoção de muitas pressões de seleção.

Nosso futuro refletirá o quão bem exercemos nosso intelecto coletivo e vamos esquivar dessa dificuldade.

Traduzido e adaptado de The Conversation.

Você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...