Conheça a tribo equatoriana que sobrevive a partir da caça de macacos

101

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Originalmente por Pete Oxford e Chris Summers | MailOnline
Traduzido e adaptado por Leonardo Ambrosio.

Nossa sociedade (pelo menos aquela parte que conseguiu se estabelecer financeiramente) se acostumou com certa facilidade para conquistar alimentos. Mas nem todos seres humanos vivem desse jeito. Claro, você tem as pessoas que ficam à margem da sociedade, por descaso dos governos ou por escolhas erradas, mas também existem aqueles que sequer fazem parte da nossa realidade.

Estamos falando de uma tribo indígena que vive no Equador. Sem sequer sonhar o que são fast-foods ou mercearias, se você faz parte desta tribo e quer se alimentar, você precisa caçar seu próprio alimento. No caso dos Huaorani, esses animais se resumem, normalmente, a macacos.

Os Huaorani são especialistas na caça de macacos, e costumam abater os animais com zarabatanas equipadas com dardos envenenados. Além dos macacos, essa tribo se alimenta também com porcos e aves.

Crianças assistem enquanto uma mulher da tribo cozinha um javali. / Créditos: Pete Oxford.

O fotógrafo britânico Pete Oxford foi até as proximidades do Rio Napo, onde vivem os Huaorani, e registrou momentos da rotina dos indígenos. “Esses indígenas são um povo da floresta, altamente em sintonia com seu ambiente. Hoje eles enfrentam mudanças radicais em sua cultura, com a proximidade da exploração de petróleo dentro de seu território e do Parque Nacional Yasuni”, diz o fotógrafo, de acordo com o Daily Mail.

“Em meu tempo de vida, o mundo testemunhou um encolhimento maciço nas culturas do mundo e no conhecimento indígena. Estamos todos homogeneizados. Para mim, isso é angustiante. Uma das minhas maiores alegrias é passar o tempo com pessoas diferentes de mim. Estou muito consciente de que quando eu visito uma tribo “estrangeira”, sou eu, e não os indígenas, o forasteiro”, exalta o fotógrafo.

Indígena fabrica um ornamento utilizando as penas de uma ave abatida. / Créditos: Pete Oxford.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...