Conheça as 7 extinções mais misteriosas da história

Originalmente por Joseph Castro | LiveScience
Traduzido e adaptado por Leonardo Ambrosio.

Muitos dos animais que já rondaram a Terra não se encontram mais entre nós. Mesmo aqueles que dominavam o planeta em sua época, como os dinossauros, se mostraram indefesos frente a força da natureza e sua capacidade de varrer espécies e colocar outras em extinção. Para algumas pessoas, é só questão de tempo para que chegue a nossa vez.

Mas ainda que em muitos casos seja possível estudar e identificar a causa de uma extinção, muitas espécies desapareceram de maneira misteriosa. E para desvendar esses mistérios, cientistas não poupam esforços – criando hipóteses e buscando cada vez mais evidências que possam ajudar.

Essa lista, do portal americano LiveScience, traz as extinções mais misteriosas da história.

1. Melanoplus spretus

Climatologia Geográfica
Gabriel A. Miller.

Não são apenas animais de grande porte como os dodos e os dinossauros que passam por extinções em massa. Esse inseto da foto é um gafanhoto da espécie Melanoplus spretus, extinto há pelo menos 100 anos. Os cientistas ainda não entendem muito bem o motivo da extinção, mas o que se sabe é que entre os anos de 1873 e 1877 esse pequeno inseto estava causando problemas em plantações nos Estados Unidos. As hipóteses variam de mudanças climáticas até o desaparecimento de seus habitats naturais, mas também é dito que os ovos desses insetos podem ter sido afetados pela irrigação e arado da terra.

2. Megalodon

Climatologia Geográfica
Giovanni Bianucci

O Megalodon foi uma das maiores criaturas que já rondou os nossos oceanos. Tratava-se de um tubarão gigante, com dentes de aproximadamente 18cm, e que podia chegar a 18 metros de comprimento. Para efeito de comparação, os tubarões brancos raramente chegam a 6m.

Entre as hipóteses (nenhuma confirmada) estão o resfriamento do oceano, a queda no nível do mar e a ausência das baleias gigantes que serviam de alimento para o Megalodon.

3. Mamute-lanoso

Climatologia Geográfica
Catmando | Shutterstock

Os mamutes-lanosos (Mammuthus primigenius) estão presentes em todos os filmes que mostram cenários gélidos na antiguidade. Esses famosos animais gigantes sobreviveram durante 250 mil anos na Terra, e até 3700 anos atrás uma pequena população sobrevivia na Ilha Wrangel, no Oceano Ártico. O restante dos animais dessa espécie morreu na Sibéria há pelo menos 10 mil anos.

Algumas teorias sugerem que a extinção dos mamutes é culpa da caça por parte dos seres humanos primitivos. No entanto, estudos mais recentes apontam que não existe apenas um culpado pela extinção desses animais, e sim uma sequência de fatores.

4. Potorous platyops

Climatologia Geográfica
John Gould

Essa espécie de marsupial foi apenas uma das tantas que foram extintas na Austrália após a chegada dos europeus. A maioria dos animais extintos não sobreviveu às atividades de limpeza de terra por parte dos ingleses, e outros foram mortos pelas raposas introduzidas no meio-ambiente do local por conta dos colonizadores. Entretanto, a extinção desses marsupiais nunca foi explicada completamente, mas estudos sugerem que uma espécie de felino extremamente feroz chegou à Austrália por meio de navios holandeses no século 17.

5. Atelopus longirostris

Climatologia Geográfica
Pierre Fidenci / Endangered Species International, www.endangeredspeciesinternational.org

Essa espécie de sapo era nativa das florestas úmidas do Equador. “Era”, pois desde 1989 não é encontrado nenhum espécime dos sapos, o que leva a crer que estão extintos.

A causa da extinção ainda não foi determinada com certeza, mas os cientistas acreditam que uma doença infecciosa chamada quitridiomicose pode estar envolvida. A doença, causada pelo fungo Batrachochytrium dendrobatidis é conhecida pelos biólogos como “assassina de sapos”, e possui uma taxa de mortalidade de 100% entre grande parte das espécies de anfíbios.

6. Ave-elefante

Climatologia Geográfica
Domínio Público

Você já conhece o dodo – ave incapaz de voar que se tornou uma espécie de “garoto-propaganda” das espécies em extinção. Entretanto, outra ave semelhante também já não está mais entre nós, mas é muito menos comentada. Estamos falando da ave-elefante (Aepyornithidae). Esses animais possuíam 3m de altura, e pesavam mais de 450kg.

Apesar de sua extinção não ter uma causa com 100% de comprovação, os cientistas possuem duas hipóteses, ambas envolvendo os seres humanos. Alguns acreditam que as aves perderam seu habitat natural durante as expansões humanas, além de terem seus ovos roubados por humanos (os ovos desses animais possuem 150 vezes o tamanho do ovo de uma galinha). Por outro lado, um grupo de cientistas acredita que doenças levadas ao habitat desses animais através das galinhas podem ter devastado suas populações.

7. Neandertais

Climatologia Geográfica
Mauro Cutrona

Os nossos antepassados neandertais também não possuem um motivo confirmado para sua extinção, que ocorreu há cerca de 30 mil anos. Alguns cientistas falam que a culpa pode recair sobre as condições climáticas, enquanto outros acreditam que os próprios seres humanos mais evoluídos acabaram provocando genocídios. Além disso, uma outra vertente de pensamento diz que o contato dos neandertais com outras espécies de seres humanos pode ter causado doenças fatais em nossos antepassados.

Você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...