A construção da maior usina de energia solar térmica do mundo foi aprovada na Austrália

151

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Continua a marcha das renováveis: um governo estadual australiano deu sinal verde para a maior usina de energia solar térmica do mundo, uma estrutura de 150 MW a ser construída em Port Augusta, no sul da Austrália.

Além de fornecer cerca de 650 empregos de construção para trabalhadores locais, a usina suprirá todas as necessidades de eletricidade para o governo estadual, e terá excedentes, além de ajudar a tornar a energia solar ainda mais acessível no futuro.

O trabalho com a planta de 510 milhões de dólares estará em andamento no próximo ano e está programada para ser concluído em 2020, aumentando a crescente lista de projetos de energia renovável da Austrália, que já cobrem a energia solar e das marés.

“O significado da geração solar térmica reside na sua capacidade de fornecer energia virtualmente sob demanda através do uso de armazenamento de energia térmica para armazenar calor para o funcionamento das turbinas de energia”, diz o professor de engenharia de energia sustentável Wasim Saman, da Universidade do Sul da Austrália.

“Esta é uma maneira mais econômica de armazenar energia do que usar baterias”.

As plantas solares fotovoltaicas convertem a luz solar diretamente na eletricidade, então elas precisam de baterias para armazenar o excesso de energia para quando o Sol não está brilhando; As usinas solares térmicas, enquanto isso, usam espelhos para concentrar a luz solar em um sistema de aquecimento.

Uma variedade de sistemas de aquecimento estão em uso, mas neste caso, o sal fundido será aquecido – uma opção de armazenamento mais econômica do que as baterias – e depois usado para ferver água, girar uma turbina a vapor e gerar eletricidade quando necessário.

Os desenvolvedores da usina de Port Augusta dizem que podem continuar gerando energia a plena carga por até 8 horas após o Sol se pôr.

As fontes de energia renovável agora representam mais de 40% da eletricidade gerada no Sul da Austrália e, à medida que o sistema solar se torna um fornecedor de energia mais estável e confiável, isso reduz os preços.

O custo da nova fábrica está bem abaixo do custo estimado de uma nova estação de energia a carvão, dando ao governo outro motivo para apoiar as energias renováveis.

Mas o pesquisador de engenharia Matthew Stocks, da Universidade Nacional Australiana, diz que ainda temos “muito a aprender” sobre como as tecnologias térmicas solares podem caber em um sistema de rede elétrica.

“Um dos grandes desafios para a energia solar térmica como uma ferramenta de armazenamento é que ela só pode armazenar calor”, diz Stocks. “Se houver um excesso de eletricidade no sistema porque o vento sopra forte, não podemos usá-la eficientemente para armazenar energia elétrica para deslocar a energia para tempos de escassez, ao contrário do que se faz com as baterias”.

As autoridades dizem que 50 trabalhadores em tempo integral serão necessários para operar a planta, usando habilidades semelhantes às necessárias para executar um serviço de carvão ou postos de gasolina. Isso incentivará os trabalhadores demitidos depois que a central de carvão da região foi fechada no ano passado.

À medida que as energias renováveis tornam-se cada vez mais importantes para nossas redes de energia, esperamos ver esta enorme usina termelétrica ser eclipsada por uma ainda maior.

“Esta é a primeira aplicação em grande escala da geração de energia solar térmica na Austrália, que tem operado com sucesso na Europa, EUA e África”, diz Saman .

“Embora esta tecnologia seja talvez uma década atrasada em relação à solar fotovoltaica, muitas previsões futuras de energia mundial incluem uma proporção considerável dessa tecnologia na matriz de energia de amanhã”.

Traduzido e adaptado de Science Alert.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...