Cópia perdida do “mapa que mudou o mundo” é reencontrada

58

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Geólogos e historiadores tiveram motivo para comemorar no ano passado, quando uma cópia rara do “mapa que mudou o mundo” ressurgiu. No 200º aniversário do mapa, neste ano, a Sociedade de Geologia de Londres e seus parceiros estão comemorando e desvendando o mapa, além de estarem preparando um novo repleto de eventos para homenagem o criador do mapa, William Smith. Smith, que viveu entre 1769 e 1839, muitas vezes é chamado de “pai da geologia inglesa” por ter criado o primeiro mapa geológico de um país, mostrando as diferentes camadas de rocha da Inglaterra, Gales e parte da Escócia.

Créditos: Sociedade Inglesa de Geologia
Créditos: Sociedade de Geologia de Londres

“William Smith estava muito à frente de seu tempo”, disse John Henry, presidente do grupo de História da Geologia na Sociedade de Geologia. “Ele foi o primeiro a perceber que os fósseis tinham determinadas características detalhadas que ele poderia relacionar com estratos geológico”.

“Antes de Smith, as pessoas pensavam que fósseis eram apenas decorações e enfeites”, disse Henry ao portal americano ‘LiveScience’. “Ninguém pensava que eles eram a chave para estudar uma estrutura geológica”. O mais curioso é que Smith fez o mapa antes do advento dos trens, passando 14 anos viajando pelo Reino Unido a pé e a cavalo para que pudesse observar estruturas geológicas de cada área. Quando o mapa finalmente ficou pronto, em 1815, seu editor, John Cary, fez placas de cobre gravadas que poderiam imprimir o mapa, e coloristas pintavam a mão cada exemplar.

O mapa deu às pessoas uma ideia do que estava por baixo de seus pés. Mapas anteriores identificavam rochas por tipo, mas os mapas eram mais “mineralógico” do que geológicos, dizem os funcionários da sociedade. Hoje, existem 70 mapas originais impressos em 1815, disse Henry. A sociedade encontrou a cópia “perdida” em sua biblioteca, enrolado em um tubo. Henry acredita que algum funcionário tenha extraviado o exemplar há 40 ou 50 anos. O mapa redescoberto está em exibição para o público na Sociedade Geológica de Londres.

Fonte: LiveScience

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...