Artigos científicos, notícias e muito mais.

Descoberta espécie de tubarão que brilha no escuro

Uma equipe de cientistas descobriu uma nova espécie de tubarão com menos de 30 centímetros de comprimento e pesando menos de 900 gramas. Esta miniatura é um membro da família “Lanternshark”, e foi encontrado a 300 metros abaixo da superfície do Oceano Pacífico, a noroeste do Havaí. Levou-se mais de 17 anos para identificar esta nova espécie, Etmopterus lailae, desde que foi avistada pela primeira vez, mas valeu a pena esperar.

Em alguns casos demoram muitos anos para identificar uma nova espécie a partir do momento em que é descoberta. Os resultados da descoberta do Etmopterus lailae foram publicados na revista Zootaxa. Stephen M. Kajiura, co-autor do estudo, professor de ciências biológicas e diretor do Elasmobranch Research Laboratory da Universidade da Florida, está entre a equipe de cientistas que trabalhou no projeto, que começou enquanto ele ainda estava na pós-graduação da Universidade do Havaí.

“Existem apenas cerca de 450 espécies conhecidas de tubarões em todo o mundo e não nos deparamos com uma nova espécie frequentemente”, disse Kajiura. “Grande parte da biodiversidade ainda é desconhecida, então, encontrar uma pequena e nova espécie de tubarão em um oceano gigantesco é realmente emocionante. Esta espécie é muito pouco estudada por causa do tamanho e do fato de que ela vive em águas muito profundas . Eles não são facilmente visíveis ou acessíveis como tantos outros tubarões”.

Em primeiro lugar, Kajiura e seus colaboradores não perceberam que haviam descoberto uma nova espécie até que apresentassem os resultados da pesquisa a um periódico. O revisor disse-lhes que o tubarão não era o que eles pensavam originalmente e que poderia ser uma nova espécie. Kajiura trabalhou com David A. Ebert, taxonomista e diretor do Pacific Shark Research Center no Moss Landing Marine Laboratories da Califórnia, para identificar esta nova espécie, agora alojada no Bernice P. Bishop Museum, no Havaí.

A identificação do Etmopterus lailae exigiu uma extensa lista de medidas, categorização e comparações completas com outros espécimes do museu.

“As características únicas desta nova espécie a diferenciam dos outros Lanternsharks”, disse Kajiura. “Por um lado, tem uma cabeça de forma estranha e um focinho grande e inchado, onde as narinas e os órgãos olfativos estão localizados. Essas criaturas vivem em um ambiente profundo e quase sem luz, logo precisam ter um bom faro para encontrar comida.”

Algumas das outras características distintivas desta nova espécie são os flancos que vão para a frente e para trás em suas barrigas, bem como diferenças internas, como o número de vértebras que eles também têm e menos dentes do que os outros tubarões. Como outros Lanternsharks, o Etmopterus lailae é bioluminescente e os flancos da barriga brilham no escuro. Essas marcas na barriga e na cauda também eram únicas desta nova espécie.

Há uma série de hipóteses para a razão que leva os Lanternsharks a brilhar na escuridão, incluindo o reconhecimento do companheiro, para garantir que eles estão se acasalando com as espécies certas, servindo como uma forma de camuflagem para protegê-los de predadores no mar profundo e usando bioluminescência para agir como uma atração para peixes pequenos ou camarões.

“A descoberta de uma nova espécie de tubarão é uma evidência de quanto ainda não foi descoberto em nosso mundo”, disse Ata Sarajedini, Ph.D., reitor da Faculdade de Ciências Charles E. Schmidt da FAU. “Esta nova espécie é a ponta do iceberg para o que mais poderia estar lá”.

Traduzido e adaptado de Phys.

Comentários
Carregando...