Drone de espionagem pode ser impresso em tecnologia 3D

FIRST LAUNCH OF 3D PRINTED UMANED AERIAL VEHICLE - 21/7/15Today, 21st July 2015, a 3D printed Umaned Aerial Vehicle was launched from a Royal Navy warship for the first time.HMS Mersey provided the perfect platform for the University of Southampton to test out their SULSA unmanned aerial vehicle (UAV).Weighing 3kg and measuring 1.5m the airframe was created on a 3D printer using laser sintered nylon and catapulted off HMS Mersey into the Wyke Regis Training Facility in Weymouth, before landing on Chesil Beach.The flight, which covered roughly 500 metres, lasted less than few minutes but demonstrated the potential use of small lightweight UAVs, which can be easily launched at sea, in a maritime environment. The aircraft carried a small video camera to record its flight and Southampton researchers monitored the flight from their UAV control van with its on-board video-cameras.Known as Project Triangle the capability demonstration was led by Southampton researchers, making use of the coastal patrol and fisheries protection ship.With a wingspan of nearly 1.5 metres, the UAV being trialled has a cruise speed of 50kts (58mph) but can fly almost silently.The aircraft is printed in four major parts and can be assembled without the use of any tools.
18

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Um drone impresso em tecnologia 3D foi lançado com sucesso de um navio de guerra da Inglaterra e conseguiu aterrissar com segurança em uma praia próxima. O drone foi idealizado por engenheiros da Universidade de Southampton, no Reino Unido, e a ideia é utilizá-lo para fins militares.

O drone foi lançado do navio real HMS Mersey, e voou aproximadamente 500 metros em alguns minutos, até chegar com segurança à uma praia de Dorset, na Inglaterra.

FIRST LAUNCH OF 3D PRINTED UMANED AERIAL VEHICLE - 21/7/15 Today, 21st July 2015, a 3D printed Umaned Aerial Vehicle was launched from a Royal Navy warship for the first time. HMS Mersey provided the perfect platform for the University of Southampton to test out their SULSA unmanned aerial vehicle (UAV). Weighing 3kg and measuring 1.5m the airframe was created on a 3D printer using laser sintered nylon and catapulted off HMS Mersey into the Wyke Regis Training Facility in Weymouth, before landing on Chesil Beach. The flight, which covered roughly 500 metres, lasted less than few minutes but demonstrated the potential use of small lightweight UAVs, which can be easily launched at sea, in a maritime environment. The aircraft carried a small video camera to record its flight and Southampton researchers monitored the flight from their UAV control van with its on-board video-cameras. Known as Project Triangle the capability demonstration was led by Southampton researchers, making use of the coastal patrol and fisheries protection ship. With a wingspan of nearly 1.5 metres, the UAV being trialled has a cruise speed of 50kts (58mph) but can fly almost silently. The aircraft is printed in four major parts and can be assembled without the use of any tools.

A pequena aeronave impressa em 3D foi nomeada SULSA, e tem uma asa de 1,2 metros de comprimento. A SULSA pode voar até 97km/h, e deverá ser utilizada pelos militares no futuro principalmente por sua capacidade de voar sem emitir praticamente nenhum ruído – o que é perfeito para missões de espionagem, por exemplo.

As peças do drone são encaixáveis, como um brinquedo de montar, e são feitas de nylon, em um processo que funde o material em estruturas sólidas. Andy Keane, da Universidade de Southampton foi quem liderou o projeto de criação do drone. De acordo com ele, veículos aéreos não manejados impressos em 3D estão ganhando muito espaço principalmente porque são baratos e rápidos para se fazer.

“Normalmente, a impressão leva 24 horas para ficar pronta, e mais 24 para esfriar. Então, do momento em que você manda os arquivos para o sistema, até você receber o objeto, leva-se dois dias”, explicou Keane.

Esse tipo de drone pode ser incrivelmente útil para militares, já que podem ser desenhados de qualquer forma, para atender vários tipos de demanda, além de poderem ser impressos em qualquer lugar onde a impressora esteja.

A tecnologia de impressão em 3D está avançando muito, e em pouco tempo. Até mesmo armas de fogo já podem ser produzidas utilizando esse tipo de impressora. Isso faz com que as entidades militares não dependam mais de indústrias, que produzem armamento em massa e transportam por navios que muitas vezes demoram para chegar ao destino. Ao mesmo tempo, é assustador pensar em tudo o que pode ser feito com esse tipo de tecnologia.

Visto em LiveScience

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...