O que faz as dunas de areia cantar?

76

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Talvez você nunca tenha visitado um deserto, mas, se for, saiba que em certas circunstâncias as dunas “cantam”. Do contrário, você corre o risco de pensar que são espíritos do deserto, tal como pensou Marco Polo quando viajou pelo deserto da China, no século 13. Ele também descreveu o som como “uma variedade de instrumentos musicais.” E, na realidade, os misteriosos ruídos são o produto do que poderia ser considerado um tipo incomum instrumento: as dunas de areia do deserto.

“É um som muito semelhante ao tipo de tons que você obtém de um violoncelo”, diz Melany Hunt, engenheira mecânica na Caltech, Califórnia. As dunas cantam quando avalanches de areia as movem para os lados, então, é um pouco equivalente ao que acontece quando se usa o arco sobre as cordas do violoncelo.

Hunt conta que ela e seus colegas gravaram os sons das dunas na Califórnia. Os pesquisadores utilizaram quarenta e oito geofones (microfones que você espeta na areia). Também foi possível mapear a estrutura das dunas com um radar.

dsc_09193

Os cientistas descobriram que as dunas cantantes possuem uma estrutura diferente das silenciosas. As dunas que cantam são formadas por areia úmida e cobertas por uma camada uniforme de areia seca. Essa camada de areia seca é como o corpo de um instrumento. Quando ocorrem as avalanches de areia, são disparados sons de várias frequências. Essas frequências de onda viajam pela areia seca. Quando atingem a areia molhada, saltam para trás, então vão para outra parte seca e assim sucessivamente. Muitas das frequências se anulam e se dissipam.

Certas ondas possuem frequência de cerca de 80 Hertz. A viajem dessas ondas produzem o som. Uma última notícia é que, conforme diz Hunt, as dunas tendem a cair mais tranquilamente no inverno, quando a areia está mais úmida. Então, para ouvir os sons você provavelmente terá que enfrentar o deserto no verão. Os resultados da pesquisa foram publicados na Revista Física dos Fluidos.

Fonte: Scientific American

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...