Dupla de pai e filha finalmente decodifica o sinal “extraterrestre” de Marte um ano depois de seu lançamento

por Lucas
0 comentário 1,8K visualizações

Um time de pai e filha acabou de fazer história ao decifrar uma mensagem “extraterrestre” de Marte. Os governos ao redor do mundo provavelmente têm equipes prontas para traduzir se homenzinhos verdes aparecerem, mas quem disse que a gente não pode tentar também? Foi exatamente isso que aconteceu quando o Instituto de Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI) divulgou uma “mensagem alienígena”.

Esse projeto, chamado “A Sign In Space” (Um Sinal no Espaço), é como uma peça de arte performática intergaláctica. A mente por trás disso, Daniela de Paulis, explicou: “Ao longo da história, a humanidade buscou significado em fenômenos poderosos e transformadores. Receber uma mensagem de uma civilização extraterrestre seria uma experiência profundamente transformadora para toda a humanidade. ‘A Sign in Space’ oferece uma oportunidade sem precedentes de ensaiar e se preparar tangivelmente para esse cenário através da colaboração global, promovendo uma busca aberta por significado em todas as culturas e disciplinas.”

Então, qual é a história? O Orbitador de Traço de Gás ExoMars da Agência Espacial Europeia enviou uma mensagem codificada de volta para a Terra em maio de 2023. Avançando mais de um ano, essa “mensagem alienígena” finalmente foi decifrada. Em 7 de junho, a solução foi entregue a De Paulis por uma dupla de pai e filha, que preferem permanecer anônimos como John e Sarah.

Esses dois não simplesmente tropeçaram na resposta; eles foram espertos. Eles olharam para a mensagem através do modelo de computação conhecido como autômato celular. Esse modelo sofisticado transformou o que parecia ser uma sequência sem sentido de uns e zeros em algo significativo. Eles usaram o motor de jogos Unity para passar a “mensagem alienígena” por 6.625 transformações, traduzindo o código em algo que poderíamos ver e entender.

E o que eles encontraram? Uma imagem de cinco aminoácidos, cada um representado por blocos com diferentes números de pixels. Por exemplo, um bloco para hidrogênio, seis para carbono, sete para nitrogênio e oito para oxigênio.

Antes que a dupla dinâmica decifrasse o código, a mensagem foi captada por três grandes observatórios de radioastronomia: o Allen Telescope Array do Instituto SETI na Califórnia, o Robert C. Byrd Green Bank Telescope na Virgínia Ocidental e o Observatório da Estação Radioastronômica de Medicina na Itália. Apesar de toda essa tecnologia de ponta, ninguém esperava que demorasse tanto para decodificar, o que surpreendeu os pesquisadores.

Dr. Wael Farah, Cientista de Projeto do ATA, comentou: “Este experimento é uma oportunidade para o mundo aprender como a comunidade SETI, em toda a sua diversidade, trabalhará junta para receber, processar, analisar e entender o significado de um possível sinal extraterrestre.”

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.