Esse truque da indústria automobilística pode tornar o bacon menos cancerígeno

66

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Pesquisadores da indústria alimentícia criaram um truque inteligente que poderia melhorar a classificação de saúde de muitos alimentos defumados – e o bacon poderia estar nessa lista.

As pessoas defumam comida há milhares de anos, mas não podemos fugir do fato de, apesar de seu delicioso sabor, não são a melhor coisa para nós.

“Nós sabemos da indústria do tabaco que o fumo contém substâncias cancerígenas, e também sabemos que substâncias estão presentes nos alimentos”, diz a farmacêutica Jane K. Parker, da Universidade de Reading, no Reino Unido.

É claro que a concentração desses compostos nos alimentos varia muito, e não precisamos assumir automaticamente o pior.

“No momento não há uma ligação direta entre um aumento no consumo de alimentos defumados e um aumento da incidência de câncer”, afirma Parker. “Acreditamos, no entanto, que devemos reduzir os níveis desses compostos nos alimentos a níveis tão baixos quanto razoavelmente alcançáveis”.

Nos últimos anos, cientistas do The Flavor Center, liderado por Parker, se uniram a pesquisadores da indústria de alimentos para encontrar formas de remover esses hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (PAHs) sem comprometer o sabor.

Inspirados em filtros comumente usados ​​na indústria automotiva, eles agora estão compartilhando suas descobertas com o resto da comunidade química – e devemos admitir que o método deles parece bastante engenhoso.

A resposta está no zeólito – um tipo de mineral poroso que combina alumínio, silício e oxigênio. Os zeólitos são super populares como meios filtrantes, usados ​​não apenas nos escapamentos dos carros, mas também nos sistemas de filtração de água.

Para esta finalidade, o zeólito é uma ótima opção porque já é usado para reduzir os PAHs ambientais – um problema cada vez mais visado pelas regulamentações da União Europeia.

E, como se vê, pode definitivamente ser usado para produzir a fumaça “mais limpa” possível, e por sua vez, tornar os alimentos mais saborosos.

“Nós demonstramos que a fumaça filtrada através do zeólito está longe de ser insípida e tem propriedades de sabor muito semelhantes à fumaça não filtrada”, escreveu a equipe em seu estudo.

Os pesquisadores otimizaram os filtros de zeólito especificamente para uso no consumo de alimentos e descobriram que, entre outras coisas, eles conseguiram remover até 93% de um PAH altamente cancerígeno produzido pela queima de matéria orgânica em altas temperaturas.

A equipe usou espectrometria de massa para analisar as diferenças entre a fumaça filtrada e a não filtrada, descobrindo que os compostos com maior peso molecular eram os primeiros a serem capturados. Eles esperam fazer mais trabalhos para entender precisamente como o filtro de zeólito está prendendo vários compostos.

O melhor de tudo, quando os pesquisadores usaram a fumaça filtrada para dar sabor a vários alimentos, um painel de provadores especialistas considerou que esses alimentos tinham um sabor mais equilibrado, com menos notas fortes que os alimentos defumados às vezes têm.

Naturalmente, há outras razões pelas quais o bacon pode não ser a melhor coisa para comer pelo alto teor de gordura e sal. Mas ainda esperamos que um pouco de bacon defumado e puro possa chegar aos nossos pratos o quanto antes.

A pesquisa foi publicada no Journal of Agricultural and Food Chemistry e apresentada na 255ª reunião nacional da American Chemical Society.

Traduzido e adaptado de Science Alert.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...