Estudo revela que buracos negros vorazes podem alimentar a vida alienígena com radiação

Os buracos negros são motores de destruição em escala cósmica, mas eles também podem ser portadores da vida. Novas pesquisas sobre buracos negros supermassivos sugerem que a radiação que eles emitem durante frenéticos de alimentação pode criar blocos de construção biomoleculares e até fotossíntese de potência. [Os buracos negros e o fim do tempo]

O resultado? Muito mais mundos vagando pela Via Láctea e além poderiam ser adequados à vida, os pesquisadores especularam.

Para seu novo estudo, publicado em 24 de maio no Astrophysical Journal, cientistas criaram modelos de computador para examinar os discos de gás e poeira chamados de núcleos ativos de galáxias, ou Agn, que giram em torno de buracos negros supermassivos. Alguns dos objetos mais brilhantes do universo, o AGN se forma conforme a gravidade de um buraco negro suga a matéria. Conforme essa matéria gira em torno de um buraco negro, libera quantidades incríveis de luz e radiação.

Desde o início dos anos 80, cientistas suspeitam que essa radiação criaria uma zona morta ao redor de um AGN. Alguns pesquisadores até propuseram que tal AGN poderia explicar por que não vimos nenhuma vida extraterrestre complexa em direção ao centro da Via Láctea.

Nossa galáxia tem um buraco negro monstruoso no seu centro, chamado Sagitário A. Estudos anteriores descobriram que em até 3.200 anos-luz de distância do AGN de Sagitário A, os raios X e a luz ultravioleta podiam remover as atmosferas de planetas semelhantes à Terra.

“As pessoas têm falado principalmente sobre os efeitos prejudiciais [dos buracos negros]”, disse Manasvi Lingam, principal autor do estudo e astrônomo da Universidade de Harvard. “Queríamos reexaminar o quão prejudicial [a radiação] é … e nos perguntar se havia algum resultado positivo”.

Os modelos dos pesquisadores sugerem que mundos com atmosferas mais densas que as da Terra ou longe o suficiente de um AGN para reter suas atmosferas, ainda podem ter uma chance de hospedar a vida. Em certas distâncias, existe uma zona galáctica que recebe exatamente a quantidade certa de radiação ultravioleta.

Nesse nível de radiação, a atmosfera não seria removida, mas a radiação poderia separar moléculas, criando compostos que são necessários para a construção de proteínas, lipídios e DNA – os pilares da vida, pelo menos como a conhecemos. Para um buraco negro do tamanho de Sagitário A, essa região se estenderia por aproximadamente 140 anos-luz a partir do centro do buraco negro, onde um ano-luz equivale a 150 milhões de quilômetros.

Os cientistas também analisaram os efeitos da radiação na fotossíntese, o processo pelo qual a maioria das plantas utiliza a energia do sol para criar açúcares. E o AGN emite enormes quantidades desse ingrediente chave – luz. Isso seria particularmente importante para as plantas em planetas nessa região, que não possuem uma estrela hospedeira próxima para fornecer uma fonte de luz.

Calculando a área sobre a qual o AGN poderia potencializar a fotossíntese, os cientistas descobriram que grandes porções de galáxias, particularmente aquelas com buracos negros supermassivos, poderiam ter fotossíntese alimentada com AGN. Para uma galáxia semelhante à nossa, esta região se estenderia em torno de 1.100 anos-luz a partir do centro da galáxia. Em galáxias pequenas e densas chamadas anãs ultracompactas, mais da metade da galáxia poderia residir naquela zona fotossintética.

Dando uma nova olhada nos efeitos negativos da radiação ultravioleta e raios-X nestas zonas, os cientistas do novo estudo descobriram que as consequências adversas de um vizinho do AGN foram exageradas no passado. Bactérias na Terra criaram biofilmes para se protegerem dos raios ultravioleta, e a vida em áreas ainda mais hostis poderia ter desenvolvido técnicas similares.

Raios-X e raios-gama, que AGNs também expelem em quantidades enormes, também são facilmente absorvidos por atmosferas parecidas com a Terra e provavelmente não teriam uma grande influência na vida, disseram os pesquisadores.

Os cientistas estimaram que os efeitos danosos da radiação AGN provavelmente terminaria a cerca de 100 anos-luz de um buraco negro do tamanho de Sagitário A.

“Olhando para o que sabemos sobre a Terra, sugere que talvez os efeitos positivos pareçam ser estendidos sobre uma região maior do que os efeitos negativos”, disse Lingam. “Isso foi definitivamente surpreendente.”

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

9 Comentários
  1. wemsmepsy Diz

    1 Reporting the results of 47 month follow up in postmenopausal women with early stage breast cancer, Dr buying cialis generic

  2. SmobreGob Diz

    Monitor Closely 1 itraconazole will increase the level or effect of iloperidone by affecting hepatic intestinal enzyme CYP3A4 metabolism stromectol mexico

  3. malsIdeal Diz

    An additional fundamental change from the previous consensus is that treatment selection is based primarily on assessment of endocrine responsive or endocrine nonresponsive disease according to the presence of estrogen and progesterone receptors in the primary tumor priligy en france 2021 Apr 6; 113 4 355 359

  4. icoglem Diz

    A recent study by Miller et al aromatase inhibitors vs tamoxifen Palatal tremor is thought to be generated by the cells of the inferior olive

  5. sweague Diz

    stromectol dosage for pinworms This result argues that nuclear expansion does not require nLD storage of lipid, at least under standard feeding conditions, but leaves open the possibility that nLDs might have a role in nutrient poor environments

  6. Byprorp Diz

    Our three children are enrolled in a 400 year old private school, where they wear gray flannel uniforms complete with school tie and scarf, play rugby and, for field trips, visit castles does lasix contain sulfa

  7. Awajemo Diz

    Cell proliferation in the absence left or presence right of estrogen was analyzed as in Figure 1 doxycycline for folliculitis For patients with breast cancer, the recommended daily dose is 20 40 mg

  8. Fewaype Diz

    2021 Dec; 24 6 561 568 body building forum clomid ERО± binding sites in the uterus triple in numbers after estrogen injection of ovariectomized mice, locating mainly at introns and distal intergenic regions that contain RNA polymerase II 80

  9. casinocommunity Diz

    It’s the same topic , but I was quite surprised to see the opinions I didn’t think of. My blog also has articles on these topics, so I look forward to your visit. casinocommunity

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.