Finalmente sabemos o motivo de Plutão ser mais frio do que deveria

101

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Plutão tem uma camada de gelo em forma de coração que, em teoria, poderia ocultar um  oceano. Sem motivo óbvio, Plutão emite raios-X. E quando a New Horizons mediu a temperatura de Plutão, o planeta anão estava mais frio do que qualquer um havia previsto. Os pesquisadores ficaram intrigados.

Os instrumentos terrestres avaliaram Plutão com uma temperatura de -173° C, enquanto a New Horizons mostrou que Plutão tem temperaturas de -201° C.

Plutão faz o ponto mais frio na Terra parecer agradável: em 2013,  pesquisadores anunciaram que um satélite da NASA observou um arrefecimento antártico de -93,2° C, uma temperatura que os seres humanos poderiam sobreviver por apenas três minutos.

Já se esperava que Plutão fosse frio. O planeta anão vaga pelo Sistema Solar a uma distância média de 5,9 bilhões de quilômetros do Sol. E Plutão é pequeno, o que significa que sua gravidade é fraca.

Na falta de um aperto firme, sua atmosfera escapa para o espaço. Na verdade, a pequena atmosfera de Plutão tornou a estimativa de temperatura muito difícil de ser medida da Terra, disse Xi Zhang, cientista da Universidade da Califórnia em Santa Cruz.

Plutão não está tão longe para que os produtos químicos em sua atmosfera sejam imunes à luz solar. Os pesquisadores afirmam que os raios ultravioleta do sol quebram nitrogênio, metano e outros gases na atmosfera de Plutão, criando uma névoa de partículas sólidas.

As imagens da New Horizons mostraram basicamente muitas partículas de névoa, afirmou Zhang.

Zhang e seus colegas, em um relatório publicado na revista Nature, argumentam que a nebulosidade de Plutão explica por que o planeta anão é ainda mais frio.

A neblina de Plutão é tão abundante que pode absorver muita radiação solar, disse Zhang, embora haja muita incerteza sobre essa complexa química atmosférica.

“Nós realmente não conhecemos a composição detalhada das partículas de neblina”, disse ele.

O que se sabe é que a poluição atmosférica começa a se formar na atmosfera de Plutão, várias centenas de quilômetros de altura, e os gases se condensam nas partículas.

As partículas caem e se encaixam juntas, como um paraquedas.

A New Horizons detectou uma camada grossa dessas partículas de hidrocarbonetos que pintam a superfície de Plutão de vermelho.

As partículas de névoa são muito maiores do que as moléculas de gás, o que significa que a capacidade de aquecer e arrefecer é maior.

Modelando a transferência de calor através da atmosfera de Plutão, Zhang e seus colegas descobriram que o efeito final é o resfriamento; a névoa absorve a energia solar e a irradia para o espaço.

Hipóteses anteriores sugeriram que o cianeto de hidrogênio gasoso era o refrigerador.

Sondas recentes de Plutão, no entanto, encontraram pouco do gás, disse Zhang. O vapor de água também poderia cumprir este papel em Plutão, mas Zhang explica que a enorme quantidade de vapor que seria necessária tornava isso uma perspectiva duvidosa.

Em um comentário na Nature, Robert West, especialista em atmosferas planetárias no Laboratório de Propulsão a Jato da Caltech, descreveu esta conclusão como “notável”. West também escreveu que “o caso da nossa compreensão da temperatura atmosférica de Plutão ainda não está fechado”.

O modelo dos autores do estudo indica que a neblina de Plutão irradia calor no espaço no espectro infravermelho – uma característica que a New Horizons não estava equipada para observar.

Os pesquisadores poderão ter sua resposta em dois anos. O telescópio James Webb, o observatório previsto para ser lançado no espaço em 2019, terá os instrumentos certos.

“Esse pode ser o melhor telescópio que já construímos”, disse Zhang.

Traduzido e adaptado de Science Alert.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...