Foi encontrado o segundo maior diamante do mundo

49

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Uma empresa de mineração canadense desenterrou o segundo maior diamante do mundo no centro da República de Botswana. A rocha possui 1.111 quilates, a gema é de muita qualidade e acaba sendo a maior descoberta de diamantes em mais de um século, perdendo em tamanho apenas para o Diamante Cullinan, pertencente a coroa britânica Hewels, a rocha possuiu incríveis 3.106 quilates em seu estado bruto.

Embora seja seguro dizer que o preço do diamante não será barato, nenhum valor ainda foi mensurado sobre ele, até porque o mineral é grande demais para ser avaliado por um scanner no local, de modo que a Lucara Mining Corporation levará a jóia para Antuérpia, na Bélgica, local onde será avaliada. A rocha encontrada em Botsuana, já foi classificada como um diamante do tipo 2A – uma categoria que representa apenas de 1 a 2% de todos os diamantes naturais que foram achados até agora no mundo.

2

Segundo a classificação, o diamante é quase ou totalmente desprovido de impurezas de boro ou de nitrogênio na rede de carbono que o compõe, e isso também sugere que ele tem uma incrível condutividade térmica. É a segunda mais alta classificação possível em termos de clareza dos diamantes. Acrescente a isso ao fato de que a rocha pesa 222 gramas e tem incríveis 6,5 cm por 5,6 cm por 4 cm, isso torna o mineral, que ainda não tem nome, um achado extremamente raro. “A importância do achado de uma gema com qualidade maior que 1.000 quilates, o maior em mais de um século … não pode ser subestimada”, disse o presidente-executivo da Lucara Diamante.

Lucara também confirmou que 24 horas depois de encontrar a rocha, ele desenterrou dois outros grandes diamantes, um com medidas maiores que 813 quilates. Para uma empresa relativamente pequena de extração de diamante, isso é uma grande vitória, as ações da Lucara subiram mais de 37% na quinta-feira.

Os diamantes são formados a partir de composições carbônicas em profundidades que variam de 140 a 190 km abaixo da superfície da Terra, um processo que demora poucos bilhões de anos e envolve altas temperaturas e pressão, a única razão para nós encontrarmos diamantes hoje é que eles “subiram” para a superfície através dos movimentos tectônicos resultado de antigas e profundas erupções vulcânicas.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...