Inseminação artificial foi usada para reproduzir pinguins em extinção

58

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Tentar impedir a extinção de determinada espécie é algo difícil, mas não é impossível. Uma das melhores maneiras para tentar impedir que mais uma espécie suma do planeta é a inseminação artificial. E, felizmente, foi exatamente isso que aconteceu no Japão.

Os pinguins-de-Humboldt estão em um número muito pequeno hoje em dia. A União Internacional para a Conversão da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN, em inglês) informou que restam apenas 10 mil espécimes de pinguins-de-Humboldt no mundo. Esse é um número muito pequeno para este animal que habita o Oceano Pacífico, nas costas do Chile e do Peru.

Tentando frear e até impedir isso, o Museu de Ciências Marítimas de Shimonoseki, no Japão, fecundou a fêmea da espécie Happy, de oito anos, com o esperma do macho Genki, de onze anos.

humboldtp

O processo foi bem sucedido e agora já existem mais dois pinguins da espécie. Sendo um deles macho e o outro fêmea. Essa é uma notícia animadora e que foi muito bem recebida, afinal, isso significa um avanço nos testes para impedirmos a extinção de espécies.

Nos últimos quatro anos, tentamos realizar a reprodução diversas vezes, apesar dos muitos fracassos. Fiquei mudo quando os filhotes de pinguins nasceram sem dificuldades, foi inacreditável”, disse Tappei Kushimoto, da Agência France-Presse, equipe responsável pelo processo.

[Phys]

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...