Maior choque continental da história “enterrou” quantidades gigantes de massa continental

27

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Cerca de 60 milhões de anos atrás, ocorreu aquela que se acredita que tenha sido a maior colisão continental na história da Terra – quando a placa da Índia se chocou com a placa tectônica da Eurásia. Esse choque, que ainda está ocorrendo, de certa forma, milhões de anos depois, deu origem à paisagem montanhosa dos Himalaias. Mas de acordo com um novo estudo, a colisão não apenas jogou as massas terrestres para cima – ela também “enterrou” uma grande quantidade dos dois continentes.

Um time de geofísicos da Universidade de Chicago usou novas técnicas de modelagem para estimar a quantidade de massa terrestre existente antes da colisão continental. Com base na crosta continental que possuímos hoje, eles dizem que uma quantidade gigantesca das duas placas está “desaparecida”. De acordo com Miquela Ingalls, coautora do estudo, metade da massa terrestre que estava ali há 60 milhões de anos não está mais lá.

Os pesquisadores se surpreenderam com a quantidade de crosta continental que aparentemente desaparece – mas ainda mais inesperado é o lugar para onde a equipe acredita que ela foi.

De forma geral, quando duas placas tectônicas se chocam, a crosta continental se eleva, principalmente por conta da sua baixa densidade e flutuabilidade. Por outro lado, a crosta oceânica geralmente é empurrada para baixo, deslizando para dentro do manto da Terra – que separa a crosta do núcleo.

No entanto, de acordo com os cálculos dos pesquisadores, o único jeito de explicar a massa reduzida após a colisão é considerando que toda a crosta tenha ido para baixo. Segundo David Rowley, um dos pesquisadores do estudo, o único lugar para onde pode ter ido essa “crosta desaparecida” é o manto da Terra.

De acordo com os pesquisadores, tentativas anteriores de calcular a quantidade massa continental existente antes da colisão não consideravam a possibilidade dessas quantidades significativas de massa continental terem sido forçadas para baixo. No entanto, analisando 20 anos de dados geológicos em placas tectônicas, e usando novas estimativas sobre como essas placas podem ser mover, a equipe acredita que a “subducção em grande escala da crosta continental” é a única explicação possível.

Isso porque os outros únicos locais para onde essa massa continental poderia ter ido, não dariam conta da quantidade de massa. Uma parte dessa crosta, por exemplo, acabou formando os Himalaias. O resto foi espremido para o lado durante a colisão, formando o Sudeste Asiático, além de sedimentos que acabaram indo para o mar. Mas nenhuma dessas massas são grandes o suficiente para representar toda a quantidade de crosta existente antes da colisão.

Ainda que as descobertas possam causar algumas controvérsias na comunidade geofísica, a equipe acredita que a sua hipótese pode também explicar o motivo pelo qual os vulcões às vezes expelem elementos extremamente raros no manto, como chumbo e urânio.

“Nosso trabalho implica que, se estamos vendo a colisão Índia-Ásia como um processo contínuo na história da Terra, houve uma mistura contínua dos elementos da crosta continental com os do manto”, disse Rowley.

Os resultados foram publicados na Nature Geoscience.

Miquela Ingalls, David B. Rowley, Brian Currie & Albert S. Colman: Large-scale subduction of continental crust implied by India–Asia mass-balance calculation 

Originalmente em Science Alert

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...