Nanopartículas poderiam salvar vidas interrompendo hemorragias internas

6

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Todos os anos, milhares de pessoas morrem de hemorragia interna. Dados coletados desde 1997 mostram que cerca de 1 a cada 13 pessoas diagnosticadas com hemorragia interna morrem, e esses números disparam para 1 em 5 para aqueles que tomaram anti-inflamatórios não-esteroides ou aspirina. Sangramento gastrointestinal foi recentemente reconhecido com a causa de aproximadamente 20.000 mortes anuais apenas nos EUA. Esta é uma condição extremamente dolorosa e difícil de tratar, que representa um sério risco de fatalidade.

Cientistas da Universidade ITMO, na Rússia, esperam melhorar os resultados de pacientes com hemorragias internas usando nanopartículas. A equipe de pesquisa sugere que usando nanopartículas guiadas magneticamente contendo o promotor de coagulação trombina, elas podem efetivamente parar a hemorragia interna.

Esta pesquisa, publicada na revista Scientific Reports, descreve como uma droga criada usando essas nanopartículas pode ser injetada por via intravenosa, diretamente no local da lesão. Quando injetado em um vaso sanguíneo simulado, esse medicamento acelerou a formação do coágulo local em 6,5 vezes e reduziu a perda de sangue em 15 vezes – o que é extraordinariamente efetivo.

Essas partículas aparentemente milagrosas contêm um núcleo de trombina, uma enzima que desencadeia a formação de coágulos sanguíneos. Os pesquisadores então envolvem a enzima em uma matriz porosa de magnetita, o segundo ingrediente principal. Isso permite que as nanopartículas no corpo sejam movidas com muita precisão por um campo magnético externo. Usando um ímã, o médico pode mover as partículas e direcioná-las ao local da lesão.

No entanto, embora essas nanopartículas possam ser úteis na redução de mortes por hemorragia interna, elas são difíceis de serem feitas.

“Sintetizar essas nanopartículas não é fácil”, disse o chefe do laboratório, Vladimir Vinogradov. “É importante manter seu tamanho abaixo de 200 nanômetros; caso contrário, não serão adequados para injeção. Além disso, condições sutis de síntese são necessárias para que a molécula de trombina não se decomponha e perca completamente sua atividade. E por fim, só poderíamos usar componentes biocompatíveis”.

Traduzido e adaptado de Futurism.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...