Níveis de CO2 estão se expandindo em direção ao seu recorde em mais de 200 milhões de anos

Não há como negar a contribuição indelével da humanidade para a mudança climática. Depois de milhões de anos de estabilidade relativa, apenas algumas centenas de anos de emissões de gases de efeito estufa vão carregar a Terra e suas criaturas em direção a um aquecimento sem precedentes. A descoberta é publicada na revista Nature Communications.

Se não houver redução nos próximos 100 ou 200 anos, as concentrações de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera da Terra subirão ao mais alto nível desde o período Triássico, há 200 milhões de anos. Se o CO2 continuar a aumentar, os próximos 200 a 300 anos se elevarão a um estado de aquecimento sem precedentes geológicos nos últimos 420 milhões de anos.

Para o estudo, a equipe reuniu mais de 1.241 estimativas de concentrações atmosféricas de CO2 de 112 estudos publicados, para criar um registro que remonta a 420 milhões de anos. Sabendo-se que uma medição direta de concentrações antigas de CO2 não é possível, os pesquisadores confiam em “proxies” indiretos para construir um registro. Isso incluiu dados publicados sobre plantas fossilizadas, a composição isotópica de carbono de antigas amostras de solo e a composição isotópica de boro de conchas fósseis.

A acumulação destes proxies revelam uma verdade surpreendente: Enquanto o clima da Terra teve poucas alterações no passado, a velocidade atual da mudança climática é excepcionalmente rápida.

Os níveis atmosféricos de CO2 dependem de uma variedade de fatores, incluindo vulcanismo, metamorfismo, meteorização do carbono orgânico, atividade humana e muitos outros. Evidentemente, houve alterações no registro climático ao longo da história, mas o clima permaneceu relativamente estável por milhões de anos até a Revolução Industrial.

Antes da Revolução Industrial, as concentrações de dióxido de carbono estavam em torno de 280 partes por milhão (ppm). Hoje, esse número aumentou para 400 partes por milhão. Em 2250, isso poderá ultrapassar 2.000 ppm se não houver esforços para mitigar as emissões. Níveis nuca vistos desde o período Triássico (220-200 milhões de anos atrás), com o clima atingindo um estado de calor nunca visto desde o período Devoniano (cerca de 400 milhões anos atrás). O aumento da temperatura é em parte devido à adição de um sol futuro mais quente.

Milhões de anos atrás, o Sol estava mais frio do que é hoje. Isso significa que naquela época sua produção de energia foi menor – com o tempo, ficou mais brilhante e sua intensidade aumentou lentamente. No entanto, se este for o caso, por que há poucas evidências para sugerir um aquecimento semelhante do clima? Isto, dizem os pesquisadores, é um delicado equilíbrio entre um sol brilhante e o declínio dos níveis de dióxido de carbono atmosférico.

“Devido a reações nucleares em estrelas, como nosso Sol, com o passar do tempo se tornam mais brilhantes”, disse o co-autor Dan Lunt, da Universidade de Bristol em um comunicado. “Isso significa que, embora as concentrações de dióxido de carbono tenham sido altas há centenas de milhões de anos atrás, o efeito líquido de aquecimento do CO2 e da luz solar foi menor”.

Ele explicou que seu novo registro de concentração de CO2 mostrou uma queda média de 3 a 4ppm por milhão de anos, o que, segundo ele, agiu como contrapeso ao brilho crescente do Sol.

“Isso pode não parecer muito, mas na verdade é apenas o suficiente para cancelar o efeito de aquecimento causado pelo brilho do sol através do tempo, por isso, a longo prazo, parece que o efeito líquido de ambos foi praticamente constante em média”, ele adicionou.

Esse equilíbrio está agora se quebrando, com o impacto industrial curto, mas poderoso, dos seres humanos nos últimos cem anos. Isto, no entanto, não significa que devemos jogar as mãos para cima e declarar que tudo está perdido. Existem soluções possíveis para mitigar tal futuro climático. As energias renováveis, a redução das emissões de combustíveis fósseis, a proteção do ambiente, a investigação inovadora e o Acordo de Paris constituem possíveis esperanças para mitigar as alterações climáticas. O desafio agora é decretar este futuro antes que o dano seja irreversível.

Você pode gostar também Mais do autor

Comentários

Carregando...