Nova pista pode ajudar na descoberta do por quê que as mulheres vivem mais que os homens

Créditos: © Stepan Popov / Fotolia
13

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

 

Créditos: © Stepan Popov / Fotolia
Créditos: © Stepan Popov / Fotolia

Um estudo da Universidade de Exeter encontrou que moscas macho morrem mais cedo do que as suas fêmeas homólogas quando forçados a se envolver em pressões de competição sexual e de sobrevivência. Os resultados podem ajudar pesquisadores a entenderem os mecanismos que determinam a longevidade.

A pesquisa, publicada no jornal Functional Ecology, usou populações da mosca Drosophila simulans que se envolveram em diversos regimes de seleção. O estudo mostra que a competição de seleção sexual, aliada à seleção natural, é mais resistente em machos do que de fêmeas, o que faz a vida útil dos primeiros diminuir por cerca de um terço.

Algumas espécies, como as moscas do estudo, tem uma vida de poucos dias, enquanto outras – incluindo árvores, baleias e alguns répteis – vivem por séculos

O professor de biociência David Hosken, da Universidade de Exeter,diz: “Nós encontramos diferenças dramáticas nos efeitos da seleção natural e sexual nos machos e nas fêmeas das moscas. Esses resultados podem nos ajudar a explicar as diferenças sexuais na longevidade de muitas espécies, incluindo humanos e de mais outros diversos exemplos vistos na natureza”.

As moscas foram submetidas a seleções sexuais e naturais acentuadas ou amenizadas, sendo permitidas a evoluírem nessas condições. Para elevar a seleção sexual, grupos de machos foram postos juntos com fêmeas “solteiras”. Uma temperatura estressante foi usada para elevar a seleção natural.

Machos copulam com as fêmeas a partir do canto, da dança ou do cheiro, mas os esforços para isso são bastante consideráveis. Ainda, a temperaturas de estresse, o esforço é amplificado.

Os resultados do estudo mostraram que, nas seleções natural e sexual amenizadas, moscas machos e fêmeas tiveram uma longevidade parecida – por volta de 35 dias. Entretanto, machos que se envolveram em seleções natural e sexual acentuadas tiveram um tempo de vida menor – apenas 24 dias – e morreram 7 dias antes que as fêmeas submetidas às mesmas condições.

Ambos seleção natural e sexual podem afetar a longevidade, mas os seus efeitos são maiores em machos. Os achados mostram que os sexos podem responder diferentemente aos mesmos regimes seletivos.

[divider]FONTE: Universidade de Exeter

[divider]REFERÊNCIA DE JORNAL:

  1. C. Ruth Archer, Eoin Duffy, David J. Hosken, Mikael Mokkonen, Kensuke Okada, Keiko Oku, Manmohan D. Sharma, John Hunt. Sex-specific effects of natural and sexual selection on the evolution of life span and ageing inDrosophila simulans. Functional Ecology, 2014; DOI: 10.1111/1365-2435.12369[divider]

Traduzido e adaptado de: http://www.sciencedaily.com/releases/2014/12/141201125154.htm

 

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...