Novo estudo explica como seu cérebro ajuda você a aprender novas habilidades

39

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Mesmo que você não tenha andado de bicicleta em anos, você provavelmente se lembrará de como fazê-lo sem pensar muito. Se você é um pianista habilidoso, as chances são que seja fácil para você se sentar e tocar uma música que ensaiou muito tempo antes. Além disso, quando você dirige para o trabalho, provavelmente não está pensando sobre seus movimentos.

As habilidades necessárias para realizar qualquer uma dessas atividades são armazenadas em seu cérebro como memórias processuais. Pesquisadores do Gladstone Institutes descobriram que um tipo especial de neurônio melhora a eficiência desse tipo de aprendizado. Seus resultados foram publicados on-line no periódico científico Cell.

Os cientistas inicialmente queriam mostrar como células cerebrais especializadas, chamadas de interneurônios de ataque rápido, causam distúrbios do movimento, como síndrome de Tourette, distonia e discinesia. Na verdade, esse não é o caso, pois seu trabalho os levou a uma descoberta ainda maior.

Um caminho para descobertas inesperadas

A equipe, liderada pelo investigador principal da Gladstone, Anatol C. Kreitzer, estava tentando entender os mecanismos básicos dos gânglios basais, que são um grupo de neurônios interconectados no cérebro que controlam o movimento e estão associados à tomada de decisões e à seleção de ações. Os interneurônios de ataque rápido representam apenas cerca de 1% dos neurônios naquela região do cérebro, mas são conhecidos por terem um papel extraordinário na organização da atividade do circuito.

A principal hipótese no campo foi que esses interneurônios estavam envolvidos no controle motor e que sua perda poderia estar relacionada a distúrbios do movimento.

“Depois de 2 anos de experiências que nos mostram o contrário, finalmente nos convencemos de que a hipótese estava errada”, disse Kreitzer, que também é professor de fisiologia e neurologia na UC San Francisco. “Não é que os interneurônios não estão envolvidos, mas sua perda não causa os sintomas que pensávamos. Isso foi uma grande surpresa”.

Em vez disso, descobriram que os interneurônios são muito mais importantes para a aprendizagem e a memória, e potencialmente mais relacionados com doenças psiquiátricas do que distúrbios do movimento.

A equipe de Kreitzer descobriu que os interneurônios desempenham um papel fundamental na plasticidade cerebral, que é a capacidade do cérebro de fortalecer ou enfraquecer as conexões entre os neurônios. Ao fazê-lo, o cérebro pode armazenar informações e memória processual.

“Nós mostramos que os interneurônios atuam como guardiões para a plasticidade”, disse Scott Owen, cientista da equipe de Kreitzer em Gladstone. “Eles restringem quando a plasticidade pode ocorrer, o que significa que eles podem prevenir mudanças na força da conexão entre os neurônios. Isso é crucial para aprender e para a memória, servindo mais especificamente para permitir que os gânglios basais se lembrem de como executar tarefas”.

Em última análise, os cientistas explicaram como os interneurônios funcionam para melhorar a eficiência da aprendizagem processual.

Um novo princípio com amplas implicações

Com base em sua descoberta, Kreitzer e sua equipe revisaram seus pressupostos sobre como os interneurônios de rápida expansão podem funcionar em outros lugares, sugerindo que os neurônios são essenciais para aprender em outras áreas do cérebro também.

“Agora que identificamos um novo princípio sobre como os interneurônios podem controlar a plasticidade, nosso estudo é um primeiro passo para melhor compreender os mecanismos envolvidos em outras regiões do cérebro também”, disse Kreitzer. “Nós acreditamos que nossos achados podem ser usados como um guia geral para determinar como esses neurônios afetam todos os circuitos neurais. A maneira que se manifesta em termos de comportamento ou doença será diferente em diferentes regiões do cérebro”.

Em outras partes do cérebro, esses mesmos neurônios são conhecidos por serem cruciais para o processamento da entrada sensorial, como a visão ou o toque, e sua disfunção está associada ao transtorno bipolar e à esquizofrenia. Os Interneurônios de ataque rápido poderiam ser um fator chave no controle da eficiência do processo de aprendizagem nesses sistemas também.

Traduzido e adaptado de Medical Xpress.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...