O campo magnético do Sol está prestes a inverter. Veja o que isso significa

por Lucas
0 comentário 619 visualizações

O campo magnético do Sol está prestes a passar por um evento significativo: uma reversão do campo magnético. Esse fenômeno ocorre aproximadamente a cada 11 anos e marca uma etapa importante no ciclo solar. A mudança na polaridade indica o ponto médio do máximo solar, o auge da atividade solar, e o início da transição para o mínimo solar.

A última vez que o campo magnético do Sol se inverteu foi no final de 2013. Essa mudança de polaridade é impulsionada por manchas solares, regiões magneticamente complexas da superfície do Sol que podem gerar eventos solares significativos, como erupções solares e ejeções de massa coronal (CMEs) — grandes explosões de plasma e campo magnético. À medida que manchas solares surgem perto do equador, elas terão uma orientação correspondente ao campo magnético antigo, enquanto as manchas solares que se formam mais perto dos polos terão um campo magnético correspondente à nova orientação magnética. Isso é chamado de lei de Hale. O campo magnético das regiões ativas se desloca em direção aos polos e eventualmente causa a reversão.

O ciclo solar, um ciclo de atividade solar de aproximadamente 11 anos, é impulsionado pelo campo magnético do Sol e é indicado pela frequência e intensidade das manchas solares visíveis na superfície. O auge da atividade solar durante um dado ciclo solar é conhecido como máximo solar, e as estimativas atuais preveem que isso ocorrerá entre o final de 2024 e o início de 2026. Existe outro ciclo, o ciclo de Hale, que dura aproximadamente 22 anos, durante o qual o campo magnético do Sol se inverte e depois retorna ao seu estado original. Durante o mínimo solar, o campo magnético do Sol é semelhante a um dipolo, com um polo norte e um polo sul, semelhante ao campo magnético da Terra. À medida que nos aproximamos do máximo solar, o campo magnético do Sol se torna mais complexo, sem uma clara separação norte-sul. Quando o máximo solar passa e o mínimo solar chega, o Sol retorna a um dipolo, embora com polaridade invertida.

A próxima mudança de polaridade será do campo magnético do norte para o sul no Hemisfério Norte e vice-versa no Hemisfério Sul. Isso trará uma orientação magnética semelhante à da Terra, que também tem seu campo magnético apontando para o sul no Hemisfério Norte.

A causa exata dessa inversão de polaridade permanece um mistério. Ainda não existe uma descrição matemática realmente consistente do que está acontecendo. Até que possa ser modelado com precisão, o mecanismo exato por trás da reversão do campo magnético permanece elusivo. A inversão do campo magnético solar não é instantânea. É uma transição gradual de um dipolo para um campo magnético complexo, até um dipolo invertido ao longo de todo o ciclo solar de 11 anos. Não há um ‘momento’ específico em que os polos do Sol se invertem. Não é como na Terra, onde a inversão é medida pela migração dos polos Norte/Sul. Geralmente, leva um ou dois anos para uma reversão completa, mas pode variar significativamente. Por exemplo, o campo polar norte do Ciclo Solar 24, que terminou em dezembro de 2019, levou quase cinco anos para se inverter.

A inversão do campo magnético é tão gradual que você nem perceberá quando acontecer. No entanto, experimentaremos alguns dos efeitos colaterais da inversão de polaridade. O Sol tem sido incrivelmente ativo recentemente, disparando numerosas erupções solares poderosas e CMEs, desencadeando fortes tempestades geomagnéticas na Terra, que, por sua vez, têm produzido algumas incríveis exibições aurorais. A maior severidade do clima espacial não é a causa direta da inversão de polaridade. Pelo contrário, essas coisas tendem a ocorrer juntas. O clima espacial é tipicamente mais intenso durante o máximo solar, quando o campo magnético do Sol também é o mais complexo.

Um efeito colateral da mudança no campo magnético é leve, mas principalmente benéfico: pode ajudar a proteger a Terra dos raios cósmicos galácticos — partículas subatômicas de alta energia que viajam a quase a velocidade da luz e podem danificar espaçonaves e prejudicar astronautas em órbita que estão fora da atmosfera protetora da Terra. À medida que o campo magnético do Sol muda, a “folha de corrente” — uma vasta superfície que se estende bilhões de milhas para fora do equador do Sol — se torna muito ondulada, proporcionando uma barreira melhor contra os raios cósmicos.

Prever as forças dos futuros ciclos solares envolve monitorar a reversão do campo magnético do Sol e ver quanto tempo leva para voltar à configuração de dipolo. Se isso acontecer nos próximos anos, o próximo ciclo de 11 anos será relativamente ativo, mas se o acúmulo for lento, o ciclo será relativamente fraco, como o ciclo solar anterior, o Ciclo Solar 24.

Fonte: Live Science

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.