O homem tem visão noturna injetada em seus olhos

29

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Um grupo de biohackers relataram terem conseguido descobrir uma maneira de injetar nossos olhos uma substância que faz com que pessoas com cegueira noturna consigam enxergar um pouco mais além. O procedimento tem permitido, segundo os testes, que se possa enxergar em um ambiente de baixa luminosidade, objeto com até 50 metros de distância, relata o coordenador do estudo.

A equipe da Califórnia Science for the Masses (SFM) utilizou um composto chamado clorina e6 (ou CE6), que pode ser encontrado em alguns peixes de águas profundas. A substância é ocasionalmente usada para tratar a cegueira noturna e até mesmo alguns cânceres. Os estudos anteriores apontaram em animais que o composto se torna um fotossensibilizador na retina.

“Depois de fazer a pesquisa, você tem que dar o próximo passo”, relatou Jeffrey Tibbetts, diretor médico da MSF. Então o pesquisador biohacker Gabriel Licina se prontificou em se tornar a “cobaia” do experimento.

19984_978472235496620_2424345186889328686_n

Em primeiro lugar, os olhos de Licina passaram por uma limpeza e as pálpebras foram esticadas para fora com um espéculo ocular (como aqueles usados no filme laranja mecânica). Em seguida, foi utilizado uma pipeta para soltar 50 microlitros da uma solução de CE6 misturado insulina e dimethlysulfoxide (DMSO) para os olhos. Especificamente, ele estava apontando para o saco conjuntival, o que deve ajudar a levar o composto para a retina.

O DMSO aumentou a permeabilidade das células para uma melhor absorção. “Para mim, foi um rápido borrão, preto-esverdeado em toda a minha visão, e em seguida, ele se dissolveu em meus olhos”, relatou Licina. Ele então colocou lentes de proteção em seus olhos a fim de diminuir a intensidade da luz durante o dia.

Depois de duas horas, a equipe testou a superpotência do composto recém descoberto injetado em Licinia em um campo escuro. No primeiro teste, Licina foi capaz de ver formas geométricas do tamanho de uma mão a cerca de 10 metros de distância. Ele também foi capaz de reconhecer símbolos (como números e letras), bem como objetos que se moviam contra diferentes origens em distâncias mais longas.

Em um segundo teste, ele teve que indicar onde as pessoas estavam localizados em um bosque com árvores a uma distância de 50 metros. Ele acertou todas as vezes, mesmo quando os indivíduos foram levantando-se contra uma árvore ou arbusto. Os demais pesquisadores fizeram os mesmo testes, porém sem o composto injetado em seus olhos, e acertaram apenas 1/3 dos testes.

Na manhã seguinte, sua visão parecia ter voltado ao normal. Até agora, não houve efeitos visíveis. O relatório sobre a sua experiência está disponível online clicando aqui.

Fonte: Science for the Masses

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...