O que são raios cósmicos e como eles afetam nos afetam?

Raios Cósmicos: Energias Misteriosas Viajando pelo Espaço e Impactando a Terra

por Junior
0 comentário 3 visualizações

O universo é um lugar enorme e misterioso, e apesar de nossos melhores esforços, mal arranhamos a superfície de seus segredos. Existem inúmeros corpos celestes por aí, desde estrelas e buracos negros até galáxias inteiras—e não vamos esquecer das esquisitices cósmicas que nem sequer descobrimos ainda. Nosso entendimento de como o universo funciona é como tentar ler uma enciclopédia através de um buraco de fechadura.

De vez em quando, algo selvagem acontece no cosmos. Talvez seja uma colisão aleatória, uma reação química ou apenas pura sorte. Qualquer que seja a causa, esses eventos podem liberar quantidades incríveis de energia que se propagam pelo espaço a quase a velocidade da luz. Estamos falando de ondas de energia que podem viajar por anos-luz.

Às vezes, essas ondas de energia cósmica chegam à Terra como o que chamamos de “raios cósmicos”. De acordo com a Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA), os raios cósmicos são partículas subatômicas com níveis de energia incrivelmente altos. Imagine prótons e núcleos atômicos zumbindo pelo espaço, acompanhados por emissões eletromagnéticas, e você terá a ideia. Eles viajam a velocidades impressionantes, perto de 300.000 km/s, que é basicamente a velocidade da luz.

Existem dois principais tipos de raios cósmicos: galácticos e solares. Os raios cósmicos solares vêm de estrelas massivas o suficiente para emitir essas potentes ondas de energia. Os raios cósmicos galácticos, por outro lado, geralmente se originam de explosões de supernovas—basicamente, os dramáticos estertores de morte das estrelas.

O que é realmente louco é que ainda não entendemos completamente os raios cósmicos. A ciência só documentou alguns desses estouros de energia cósmica. O primeiro e mais poderoso foi registrado em 1991. Esse cara era tão potente que superou até os aceleradores de prótons mais avançados feitos pelo homem. Apelidado de partícula “Oh-My-God”, ele liberou energia centenas de vezes mais forte do que qualquer coisa que conseguimos produzir.

Avançando para 27 de maio de 2021, quando o segundo raio cósmico foi detectado em Utah, EUA. Este, chamado “Amaterasu”, não era tão poderoso quanto a partícula Oh-My-God, mas ainda assim era uma força a ser reconhecida. Cientistas da Universidade Metropolitana de Osaka, liderados por Toshihiro Fujii, assumiram a tarefa de estudar esse evento. Apesar de seus esforços, as origens e a natureza desse fenômeno cósmico permanecem envoltas em mistério.

Desde o momento em que o segundo raio cósmico foi detectado em 2021 até 24 de novembro de 2023, ele esteve sob estudo contínuo. As descobertas foram eventualmente publicadas na revista virtual Science. Mesmo com toda essa pesquisa, nosso conhecimento sobre os raios cósmicos ainda é bem limitado.

A IAEA também fala sobre a radiação cósmica, apontando que o campo magnético da Terra—conhecido como magnetosfera—junto com seus polos, oferece alguma proteção. Na maioria das vezes, os raios cósmicos não chegam à superfície da Terra, e se chegam, seu impacto é insignificante. Mas isso não significa que não estamos de olho neles. Essas ondas massivas de energia ainda são um tópico quente nos círculos científicos.

Os raios cósmicos são como as cartas selvagens do universo. Eles nos lembram que há muito mais por aí que não sabemos. Os cientistas estão trabalhando incansavelmente para desvendar esses mistérios cósmicos, mas por enquanto, os raios cósmicos mantêm seus segredos bem guardados.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.