fbpx

Os cães realmente sorriem para nós?

Shutterstock

A boca do cão se abre amplamente, seus lábios encostam nos cantos e sua língua se retrai. A maioria olharia para este rosto e veria um sorriso inconfundível. Mas isso é realmente o que está acontecendo? Os cães usam essa expressão da mesma forma que as pessoas, para transmitir sua alegria, prazer ou contentamento?

Em outras palavras, os cães estão realmente sorrindo para nós?

A resposta tem raízes em nossa história de 30 mil anos de manter os cães como animais domesticados. Graças a essa história, humanos e cães desenvolveram um vínculo único, que também tornou os cães muito úteis para o estudo da comunicação. “Estudar cães é uma oportunidade realmente única de observar a comunicação social entre as espécies”, disse Alex Benjamin, professora associada de psicologia, que estuda a cognição canina na Universidade de York, no Reino Unido.

A maior parte dessa pesquisa também reforça a ideia de que o vínculo comunicativo que compartilhamos com os cães é único. Por exemplo, os pesquisadores descobriram que os cães abraçam o olhar humano e usam o contato visual de uma maneira que poucos outros animais fazem.

Um estudo publicado na revista Current Biology testou como lobos e cães reagiriam à tarefa impossível de abrir um contêiner para pegar alguma carne que eles sabiam que estava dentro. Os pesquisadores descobriram que, enquanto os lobos simplesmente saíam quando descobriam que não podiam abri-lo, os cães se viravam e davam aos humanos um olhar profundo e inquiridor – sugerindo que esses animais sabiam que uma pessoa poderia ajudá-los a completar a tarefa.

Outro estudo, publicado na revista Science, descobriu que tanto os cães como os seres humanos experimentam um aumento nos níveis de ocitocina – um hormônio que desempenha um papel na ligação social – quando eles prendem os olhos um ao outro. Ainda mais intrigante, os cães que cheiravam a ocitocina passavam mais tempo encarando os humanos.

“[Um olhar compartilhado] é o mecanismo fundamental para a cooperação se você pensar sobre isso, especialmente se, como os cães, você não puder confiar na linguagem falada”, disse Benjamin. Os humanos podem ter criado essa característica em cães ao longo de sua domesticação, ela disse. “Cães que olham para nós são muito mais fáceis de cooperar e treinar. Então, é possível que alguma seleção inconsciente ou consciente também tenha levado aos comportamentos que vemos hoje.”

De qualquer forma, fica claro que o contato visual é importante para os cães como uma forma de coletar informações e se comunicar intencionalmente.

Mas e as expressões que cruzam seus rostos? Estas têm alguma relevância para os seres humanos – e os cães as usam para se comunicar conosco?

Essa pergunta é intrigante, disse Juliane Kaminski, professora de psicologia da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, que estuda a cognição de cães. Ela disse que está especialmente interessada em uma expressão particularmente adorável em cachorros: a elevação interna das sobrancelhas que produz o que é conhecido como “olhos de cachorrinho”.

Para sua pesquisa, Kaminski e seus colegas visitaram um abrigo para cães, onde usaram algo chamado de sistema de codificação de ação facial (FACS) para medir os mínimos movimentos faciais que os cães faziam enquanto interagiam com as pessoas. Depois, os pesquisadores acompanharam o tempo que cada cão levou para ser adotado. Os cientistas descobriram que “quanto mais os cães produziam esse movimento, mais rapidamente eles se reencontravam”, disse Kaminski. Nenhum outro comportamento analisado pelos pesquisadores teve um efeito tão forte.

Em seguida, Kaminski queria descobrir se esse comportamento era intencional. “Os cães entenderam ou aprenderam que, se eles produzissem esse movimento com os olhos, os humanos fariam algo por eles?” Kaminski disse. Então, ela montou um outro experimento, no qual os cães foram expostos a humanos que ofereciam ou não comida. Se os cães soubessem o poder de seu olhar triste, supunha-se que aqueles apresentados com a possibilidade de um lanche o usariam com mais frequência para conseguir o que desejavam.

Mas… eles não fizeram. Embora os cães fossem mais expressivos quando olhavam para os seres humanos – reforçando a ideia de que o contato visual é importante para a comunicação canina -, os animais usavam a expressão de olhos tristes tanto para comer quanto para não comer. É possível que os seres humanos selecionem inconscientemente esse traço adorável enquanto domesticamos os caninos, porque “se assemelha a um movimento que produzimos quando estamos tristes. Então, isso desencadeia essa resposta estimulante”, disse Kaminski. “Mas isso não significa necessariamente que os cães aprenderam a explorar isso.”

Isso nos leva ao “sorriso”. A expressão de boca larga do seu cão carrega o mesmo significado que um sorriso humano? Kaminski aconselhou cautela. “Eu tive um cão toda a minha vida, então eu sei que se você conhece seu cão muito bem, você é capaz de ler seus comportamentos. Eu não tenho nenhum problema em dar a certos comportamentos um rótulo”, disse ela. “Mas como cientista, claro, eu digo: ‘Como saberíamos isso?’ Nós temos zero dados nos dizendo o que isso realmente significa. “

Os cães realmente sorriem para nós?
Shutterstock

O problema com as expressões caninas é que nossas ferramentas de pesquisa são tipicamente subjetivas, e emparelhadas com nossas tendências antropomorfizantes, é muito possível que interpretemos mal o que vemos nos rostos dos cães.

Na verdade, há muito pouca pesquisa objetiva para apoiar a ideia de que os cães “sorriem”. Algumas descobertas, publicadas na revista Scientific Reports, mostram que essa expressão em particular, chamada “boca aberta relaxada” em cães, geralmente ocorre em ambientes positivos, como quando os cães estão se convidando para brincar. Mas se é realmente o que chamaríamos de sorriso, ou se os cães estão direcionando isso para nós intencionalmente para comunicar algo, permanece desconhecido.

Para responder a essa pergunta, precisaríamos de técnicas de pesquisa mais objetivas – como o FACS como Kaminski usou – para determinar como expressões faciais específicas se correlacionam com situações particulares e o que motiva precisamente essas expressões. Isso é necessário para todas as expressões caninas, que são geralmente pouco estudadas, disse Kaminski.

Essa revelação é provavelmente inquietante para qualquer dono de cão que tenha interpretado essa boca aberta como um sorriso por todos esses anos. Mas, de certa forma, isso não importa, porque há tantas outras provas da nossa relação especial com os cães.

Considere que eles são as únicas criaturas que conhecemos que podem seguir com sucesso e entender gestos humanos, como apontar. Até mesmo os chimpanzés, nossos parentes mais próximos, não podem seguir essa pista comunicativa tão bem quanto os cachorros. Além disso, caninos realmente mostram uma preferência por certos tipos de fala, como Benjamin descobriu em sua pesquisa. Ela descobriu que os cães preferem a companhia de humanos que usam vozes mais agudas e cantadas.

Então, se podemos ou não compartilhar um sorriso amigável com nossos amigos de quatro patas, é claro que eles nos entendem de maneiras surpreendentemente sutis. Benjamin disse que devemos ser motivados por isso para nos tornarmos comunicadores melhores e mais sensíveis.

“Os cães já são tão bons em nos entender. Eles podem entender sinais muito sutis”, disse Benjamin. “Então, é o nosso trabalho, como humanos, dar-lhes as dicas para entender como cooperar conosco.” E se você quiser sorrir enquanto está nisso – por que não?

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.