Relação entre maconha e psicose: qual a ligação e quem está em risco?

173

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Houve um recente aumento global da “febre verde”, com várias jurisdições descriminalizando ou legalizando a maconha ao redor do mundo.

Mas, além de relaxar as regras, vem a preocupação com as implicações para a saúde do uso de maconha. Frequentemente ouvimos falar de uma ligação entre o uso de maconha e a psicose. Então, quão forte é a ligação e quem está em risco?

Há evidências consistentes mostrando uma relação ao longo do tempo entre o uso pesado ou repetido de maconha e uma experiência de psicose pela primeira vez.

Transtornos psicóticos são condições graves de saúde mental. Eles são caracterizados por uma “perda de contato com a realidade”, onde o indivíduo perde a capacidade de distinguir o que é real do que não é. Os sintomas psicóticos podem incluir alucinações visuais, ouvir vozes ou pensamentos delirantes generalizados.

Estas podem frequentemente apresentar-se como um “episódio psicótico” – que é um agravamento relativamente repentino de sintomas psicóticos ao longo de um curto período de tempo, resultando frequentemente em hospitalização.

Os usuários mais pesados ​​de maconha têm cerca de quatro vezes mais chances de desenvolver esquizofrenia do que os não usuários. Até mesmo o “usuário médio de maconha” (para o qual a definição varia de estudo para estudo) é cerca de duas vezes mais provável do que um não-usuário desenvolver um distúrbio psicótico.

Além disso, esses estudos encontraram uma ligação causal entre o tetrahidrocanabinol (THC – a substância química da planta que “provoca a viagem”) e a psicose. Isso significa que a ligação não é uma coincidência e um causou o outro.

Pessoas com certas variantes genéticas parecem estar em maior risco. No entanto, nossa compreensão desses fatores ainda é limitada, e não podemos usar apenas informações genéticas para determinar se alguém desenvolverá ou não psicose por causa do uso de maconha.

Aqueles com essas variantes genéticas que também sofreram traumas de infância ou têm um tipo de personalidade paranoica estão ainda mais em risco. Assim também são adolescentes e jovens adultos, que têm cérebros em crescimento e estão em uma idade em que a esquizofrenia é mais provável de se manifestar.

O tipo de maconha utilizada (ou o uso de canabinoides sintéticos) também pode aumentar o risco de psicose. Como mencionado acima, isso se deve aos efeitos psicológicos do THC químico (um dos mais de 140 canabinoides encontrados na planta).

Esse composto pode imitar a apresentação de sintomas psicóticos, incluindo paranoia, alteração sensorial, euforia e alucinações. Em pesquisas baseadas em laboratório, mesmo pessoas saudáveis ​​podem apresentar sintomas aumentados de psicose quando recebem compostos de THC, com efeitos mais severos observados em pessoas com esquizofrenia.

Ironicamente, um composto encontrado na maconha pode ser benéfico no tratamento da psicose. Em contraste com o THC, um composto chamado canabidiol (CBD) pode fornecer um efeito tampão aos efeitos potencialmente indutores de psicose do THC.

Isso pode ocorrer em parte devido à sua capacidade de bloquear parcialmente o mesmo receptor químico do cérebro que o THC se liga. O CBD também pode inibir a quebra de uma substância química do cérebro chamada “anandamida”, que nos faz sentir felizes. A anandamida também é encontrada no chocolate.

O CBD extraído da maconha e usado isoladamente é bem tolerado com efeitos psicoativos mínimos. Em outras palavras, isso não faz uma pessoa se sentir “chapada”. Alguns estudos têm descoberto que o canabidiol é realmente benéfico para melhorar os sintomas da esquizofrenia. Mas um estudo mais recente não mostrou diferença nos efeitos do CBD comparado a um placebo sobre os sintomas da esquizofrenia.

É importante mencionar que a maioria dos estudos que encontrou uma ligação causal entre o uso de maconha e a psicose examinou o uso de cannabis ilícita, geralmente de origem desconhecida. Isso significa que os níveis de THC são irrestritos e existe a possibilidade de adulterantes sintéticos, resíduos químicos, metais pesados ​​ou outras toxinas estarem presentes devido à falta de práticas de garantia de qualidade.

Traduzido e adaptado de The Conversation.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...