Revelam um erro em algumas células cancerígenas que são estudadas há 50 anos

16

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Uppsala (Suécia) descobriu que a linha de células usada há quase meio século atrás para estudar um tipo de câncer no cérebro é diferente do tumor original do qual ele se deriva, como foi revelado por um novo estudo publicado no Science Translational Medicine.

Assim, a versão da linha de células de glioma U87MG, cuja origem era repositório de material biológico ATCC, derivado de uma fonte diferente para o paciente inicial. No entanto, embora seja de origem desconhecida, é também provável que corresponda a um glioblastoma humano.

A descoberta de cientistas suecos, com base na análise de material de DNA mitocondrial utilizado em mais de 1.700 publicações científicas, aponta para uma possível confusão ou contaminação cruzada.

Os pesquisadores também compararam a assinatura genética do banco de dados do U87MG de ATCC com linhas de células de tumores malignos e comprovaram que ele se origina nas células do sistema nervoso central.

Finalmente, estes especialistas recomendam mais cautela na hora de verificar as linhas celulares utilizadas em trabalhos científicos. [Science Translational Medicine]

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...