Síndrome de Estocolmo: quando o oprimido gosta do seu opressor

O termo síndrome de Estocolmo é usado por psiquiatras para descrever um conjunto de características psicológicas que levam a vítima a desenvolverem um comportamento afetivo pelo seu agressor.

Essa característica foi observada pela primeira vez em pessoas que foram feitas como reféns durante um assalto a banco em 1973 em Estocolmo na Suécia. Nesse incidente, dois bandidos mantiveram quatro funcionários do banco como reféns por seis dias dentro de um cofre. Quando o impasse terminou, as vítimas pareciam ter desenvolvido sentimentos positivos por seus captores e até expressado compaixão por eles.

É difícil entender o motivo pelo qual os reféns se identificam, formam apegos emocionais e até defendem seus agressores após uma situação aterrorizante e ameaçadora à vida, pois esse fenômeno é incomum e pode ocorrer em raras ocasiões. Além da ocorrência da síndrome em crimes com reféns, os psicólogos sugerem que ela também pode afetar membros de cultos e vítimas de abuso doméstico.

Sintomas

A síndrome de Estocolmo é um conceito psicológico usado para explicar as reações, mas não é um diagnóstico formal, disse Steven Norton, psicólogo forense em Rochester, Minnesota. A síndrome de Estocolmo não está listada na última edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (ferramenta utilizada por psicólogos e psiquiatras para diagnósticos de doenças mentais).

Entretanto, tanto a polícia quanto os profissionais de saúde mental reconhecem que a síndrome de Estocolmo pode ocorrer, por isso há uma aceitação geral e conscientização da doença.

Uma pessoa com a síndrome de Estocolmo pode começar a se identificar ou formar uma conexão próxima com as pessoas que a sequestraram. O cativo simpatiza com os seqüestradores e também pode se tornar emocionalmente dependente deles. Isso ocorre porque a vítima se torna cada vez mais deprimida e assustada, o que acarreta em uma diminuição da capacidade de cuidar de si mesma. Isso, por sua vez, as tornará mais dependentes de seus agressores.

As vítimas com a síndrome de Estocolmo exibem duas características principais: sentimentos positivos em relação aos mal-feitores e sentimentos negativos, como raiva e desconfiança, em relação à aplicação da lei, de acordo com um boletim de 1999 do FBI . A vítima pode temer que a investida policial possa ameaçar sua segurança.

Uma pessoa com a síndrome de Estocolmo pode começar a se identificar ou formar uma conexão próxima com as pessoas que a sequestraram. O cativo simpatiza com os seqüestradores e também pode se tornar emocionalmente dependente deles.

Os sintomas podem ser confundidos aos associados a outros diagnósticos, como transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e o “desamparo aprendido“. No último fenômeno, pessoas repetidamente expostas a situações estressantes, que estão além de seu controle, perdem a capacidade de tomar decisões.

Causas

Não estão claros os motivos da ocorrência da síndrome de Estocolmo. Alguns especialistas em saúde mental sugerem que é a síndrome é uma estratégia de auto-proteção e método de enfrentamento pessoal para vítimas de abuso físico e emocional.

“É realmente uma forma de sobrevivência”, segundo o médico Norton para o site Livescience. É uma estratégia de sobrevivência e um mecanismo de enfrentamento baseado no nível de medo, dependência e trauma da situação, disse ele.

Em uma publicação de 1995, a doutora Dee LR Graham, psicóloga e professora emérita da Universidade de Cincinnati em Ohio nos Estados Unidos, descreveu que é mais provável que a síndrome ocorra sob quatro condições:

  • As vítimas sentem ou percebem uma ameaça à sua sobrevivência por estarem sujeitas a ação de bandidos.
  • As vítimas exageram as pequenas ‘gentilezas’ vindas de seus agressores, como receber comida ou não simplesmente quando eles não a agridem.
  • As vítimas são isoladas e observam perspectivas diferentes daquelas que tem os seus agressores.
  • As vítimas sentem que não podem escapar daquela situação.
92% das vítimas de reféns nunca mostram sinais da síndrome de Estocolmo segundo relatório do FBI

Uma possível explicação para o desenvolvimento da síndrome é que, a princípio, os seqüestradores ameaçam violentamente as vítimas, o que gera pânico . Mas, se os captores não as ferirem, os reféns sentem gratidão pela pequena ‘gentileza’.

Os reféns também aprendem que, para sobreviver, precisam se sintonizar com as reações de seus raptores e desenvolvem traços psicológicos que agradem esses indivíduos, como dependência e obediência.

Os especialistas têm especulado que é a intensidade do incidente traumático, juntamente com a ausência do abuso físico para com as vítimas, apesar do medo de sua ocorrência, que cria um clima propício à síndrome de Estocolmo das vítimas (relatório de 2007 do FBI).

A síndrome de Estocolmo é uma condição rara, e isso pode explicar por que a pesquisa em torno dela é tão esparsa, disse o doutor Norton a revista. Um relatório de 1999 do FBI descobriu que 92% das vítimas de reféns nunca mostram sinais da síndrome de Estocolmo.

Com tão poucos casos, também não está claro como a síndrome de Estocolmo afeta a saúde mental de alguém anos após o incidente traumático, disse.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

9 Comentários
  1. SmobreGob Diz

    All procedures were approved by the Institutional Animal Care and Use Committee of the University of Colorado Animal Welfare Assurance D16 00171 ivermectin brand name Cancer Biology and Therapy, 10, 1001 1008

  2. icoglem Diz

    Paclitaxel Taxol, a microtubule targeting agent, can induce G2 M cell cycle arrest and apoptosis 31 and inhibits STAT3 phosphorylation in MDA MB 468, MDA MB 231, and MCF 7 cell lines 32 buy nolvadex for lab rats PMCID PMC2782044

  3. malsIdeal Diz

    can priligy cure pe You may resume normal activities after the test with the recommendation that you wear a pad, as the fluids used in the test may seep out of your vagina throughout the day

  4. Byprorp Diz

    59 Charbit B, Albaladejo P, Funck Brentano C, Legrand M, Samain E and Marty J 2005 Prolongation of QTc interval after postoperative nausea and vomiting treatment by droperidol or ondansetron Anesthesiology 102 6 1094 100 PMID 15915019 10 lasix 80 mg The predictor of axillary lymph node metastasis in general should be easy reproducible, cost effective, high accurate, and induces minimum side effects on patients

  5. sweague Diz

    847 200 mg Caja x 5 cГЎps stromectol vs ivermectin However, none of these grafts exhibited ductal carcinoma in situ and only one contained atypical hyperplasia

  6. Fewaype Diz

    Monitor Closely 1 cenobamate, tetrabenazine fastest place online to order clomid International Triathlon Union IWF

  7. Awajemo Diz

    Novonix Limited NVX doxycycline dog

  8. baccaratcommunity Diz

    I came to this site with the introduction of a friend around me and I was very impressed when I found your writing. I’ll come back often after bookmarking! baccaratcommunity

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.