Triste: Estudo mostra o contínuo declínio de elefantes africanos

23

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Novos dados de campo na África Central mostram que entre 2002 e 2013, 65% dos elefantes que habitam as florestas africanas foram mortos.  Eles estão sendo caçados ilegalmente, para o mercado de marfim, numa chocante taxa de 9% ao ano. Esses novos dados resultaram na atualização de um artigo anterior publicado online na revista PLOS ONE sobre o estado dos elefantes na floresta africana em toda África Central, publicado pelos mesmos cientistas.  Muitas organizações colaboraram para esse estudo que abrangeu 80 sites em cinco países ao longo dos 12 anos de coleta de dados.

O artigo anterior, publicado em 2013, já havia constatado uma queda de 62% da população de elefantes entre 2002 e 2011 – menos de 10% do seu tamanho potencial –  e que os elefantes ocuparam apenas um quarto das florestas onde eles já habitaram.

A atualização, divulgada hoje em um simpósio da United Wildlife em Londres, foi feita adicionando novos dados de 2012 e 2013 e usando os mesmos métodos de análise de antes.

“Esses novos números que mostram o contínuo declínio de elefantes africanos são a razão exata pela qual há um sentido de urgência no simpósio da United Wildlife em Londres essa semana,” disse Dr. John Robinson, chefe de Conservação da Wildlife Conservation Society (WCS) e vice-presidente executivo de Ciência e Conservação. “As soluções que estamos discutindo em Londres nessa semana e os compromissos que estamos fazendo não podem falhar senão os elefantes africanos podem desaparecer de nossas vidas. A United Wildlife, que é conduzida pelo duque de Cambridge, está determinada a trabalhar em conjunto para retrair esses números.”

Ambientalistas reunidos no simpósio da United Wildlife – “Tráfico Internacional de Animais Selvagens: Soluções para uma crise global” estão discutindo maneiras para proteger os animais selvagens e combater o tráfico.

Dr. Fiona Maisels da WCS, uma das pesquisadoras que divulgou os novos números e coautora do artigo, disse: “Pelo menos 200 mil elefantes africanos foram mortos entre 2002 e 2013, no montante de, pelo menos, 60 por dia, ou um a cada vinte minutos, dia e noite. No momento em que você toma seu café-da-manhã, um elefante é abatido a fim de se produzir bijuterias para o mercado de marfim”. Os resultados mostram que a nação relativamente pequena do Gabão tem a maioria (quase 60%) dos elefantes remanescentes. Historicamente, a enorme Republica Democrática do Congo (DRC) teria tido o maior número de elefantes africanos. O atual número e distribuição de elefantes são incompreensíveis quando comparados com o que deveriam ser, ” disse Dr. Samantha Strindberg da WCS e uma das coautoras. “Quase 95% das florestas da República Democrática do Congo estão sem elefantes.”

Referência:

Wildlife Conservation Society. “Continued decline of African forest elephants, study shows.” ScienceDaily. ScienceDaily, 12 February 2014. <www.sciencedaily.com/releases/2014/02/140212093349.htm>.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...