Uma peça de 5 mil anos mostra que a cerveja era o pagamento dos Mesopotâmicos

48

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Inscrições cuneiformes de 5 mil anos de idade foram encontradas em placas de argila nas ruínas da cidade mesopotâmica de Uruk, que hoje em dia é o Iraque. Essas placas revelam uma curiosidade do passado: os trabalhadores da antiguidade recebiam seus salários em cerveja!

A hipótese surgiu por causa de um recipiente cônico, que significa “cerveja”, que estava acompanhado de um desenho humano se alimentando com uma valise, algo que representava a “ração”. Todo o conjunto acaba por formar uma espécie de holerite.

Essa descoberta envolvendo uma método de pagamento não é só inusitada pelo fato da cerveja ser o salário. A grande surpresa vem quando paramos e notamos que acabaram de encontrar o registro mais antigo de um método de organização do trabalho que consistem em funcionários e chefes.

Todas as placas de argila que tem ligação com os povos antigos da Mesopotâmia são bem interessantes, já que nelas estão gravadas informações sobre o cotidiano do povo antigo. No Museu Britânico, o mesmo que possui a placa sobre a cerveja como método de pagamento, há mais de 130 mil inscrições do tipo. Essa grande quantidade de relíquias da época se dá pelo fato de que essas placas são resistentes ao tempo, mesmo quando não passam pela etapa de serem cozidas.

Com essa informação, descobrimos que essa foi a primeira vez que a bebida foi usada como salário. Porém, essa não foi a última, já que registros mais recentes também mostram que a cerveja era uma moeda de troca. No Egito Antigo, por exemplo, os funcionários que construíam as pirâmides recebiam cerca de 4 e 5 litros de cerveja por dia. [Arstechnica]

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...