Uma rede de internet interestelar poderia levar 300 mil anos para ser construída

14

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Você pode ter problemas para usar Wi-Fi no seu quarto, mas conectar o cosmos está em um nível completamente diferente: e um especialista diz que pode levar 300 mil anos para conectar toda a Via Láctea.

Em vez de esticar cabos de planeta para planeta, poderíamos piscar a luz do nosso Sol para as profundezas do espaço, assim como sinalizar com a mão na frente de uma lanterna, sugere a nova proposta.

Duncan Forgan, da Universidade de St. Andrews, no Reino Unido, fez os cálculos por trás de um modelo que usa feixes de laser da Terra para interferir nos raios do Sol enquanto nosso planeta gira em torno dele, transmitindo mensagens além do Sistema Solar.

Se pudéssemos encontrar outras 500 civilizações tecnologicamente avançadas na Via Láctea, um sistema de comunicação que alcance toda a galáxia levaria cerca de 300 mil anos para ser construído, diz Forgan.

“Se você quer se comunicar com alguém do outro lado do centro galáctico, há muitas coisas no caminho – poeira, estrelas, um grande buraco negro – para que você possa seguir o caminho usando a rede”, disse Forgan.

Então, mesmo que não estivéssemos no lugar certo para receber sinais de um determinado planeta, poderíamos receber a mensagem através de vários outros sistemas primeiro.

Ao usar os planetas à medida que circulam em torno de suas estrelas, poderíamos criar uma rede com explosões regulares de sinais – e já temos telescópios olhando para os planetas passando na frente das estrelas, de modo que seria necessário menos trabalho na extremidade receptora.

E a ideia resolve o problema da energia, já que usaríamos as estrelas como base da rede.

Quanto aos pulsos de laser utilizados para modular a luz do Sol à medida que passa pela Terra, o sistema foi proposto no ano passado por cientistas da Universidade de Columbia – que também poderia ser usado para esconder o nosso planeta ou enviar mensagens para o espaço profundo.

Devemos salientar que os modelos computacionais que Forgan montou ainda não foram publicados em um periódico revisado por pares, então teremos que esperar que outros especialistas verifiquem seus cálculos.

Forgan também admite algumas limitações para o seu trabalho: não leva em conta a mudança de órbitas planetárias ao longo do tempo, e para alcançar esses prazos extremamente longos, provavelmente precisaria da participação de centenas de civilizações alienígenas para nos ajudar a construir a rede – e obviamente, antes precisaríamos encontrá-los e convencê-los a fazer isso.

Outros especialistas não estão convencidos de que o sistema proposto funcionaria, especialmente com a necessidade da ajuda de outros planetas para configurá-lo.

“Uma vez que uma civilização é avançada o suficiente para ter a tecnologia para construir megasestruturas deste porte, é muito mais provável que deixe o seu planeta”, disse Avi Loeb, da Universidade de Harvard. “Cada sinal levaria milhares de anos para viajar de um lado para o outro. No tempo cósmico que pode não ser tão longo, mas você precisa de paciência”.

Você pode ler a pesquisa completa no arXiv.

Traduzido e adaptado de Science Alert.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...