[VÍDEO] Estes caranguejos gigantes estão caçando pássaros

141

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Há uma teoria de que caranguejos gigantes carregaram Amelia Earhart, desmembraram-na e carregaram seus ossos para o subsolo. Especulativo, na melhor das hipóteses. Soa louco, nós sabemos.

Mas o mesmo acontece com quase todos os outros rumores horripilantes sobre os chamados caranguejos-do-coco – até que a ciência inevitavelmente prova que são verdadeiros. Eles crescem até o tamanho de cães, escalam árvores e rasgam material sólido com garras quase tão fortes quanto as mandíbulas de um leão.

E agora, finalmente, temos evidências em vídeo de que estes caranguejos podem escalar árvores e caçar pássaros adultos em seus ninhos.

“Seria inicialmente considerado impossível que um caranguejo abrisse uma noz de cacau forte”, escreveu Charles Darwin certa vez, enquanto passava por uma ilha no Oceano Índico.

“O caranguejo começa rasgando a casca, fibra por fibra, e sempre daquela extremidade sob a qual os três buracos estão situados”, escreveu Darwin. “Quando isso é concluído, o caranguejo começa a martelar com suas garras pesadas em um dos buracos para os olhos até que uma abertura seja feita”.

Mas Darwin não iria além disso. O gênio que defendeu as formas intermináveis ​​de vida não deu crédito aos relatos de que esses ferozes caranguejos gigantes também poderiam escalar árvores.

Nas décadas seguintes, os caranguejos-do-coco seriam fotografados não apenas subindo em árvores, mas se pendurados neles como enormes aranhas. Pesquisadores em nosso próprio século uma vez deixaram uma pequena carcaça de porco para ver o que aconteceria, escreveu a Smithsonian Magazine. Os caranguejos rapidamente desapareceram com o porco.

Agora sabemos que eles são os maiores invertebrados a andar na superfície da Terra – mais de um metro de comprimento, com garras tão fortes que um pesquisador uma vez tentou medir a força e o descreveu como “inferno eterno” depois que um caranguejo-do-coco pegou a sua mão.

Mas o que eles comem, imaginou Mark Laidre?

“Poucos estudos sobre o notável comportamento desse animal foram realizados desde a viagem de Darwin ao Beagle”, escreveu o biólogo do Dartmouth College em um artigo.

Que eles comem cocos é algo que se sabe há muito tempo, é claro. E como outros caranguejos, Laidre escreveu, eles eram conhecidos por comer cadáveres.

Mas o que mais eles comem? Laidre ficou fascinado por uma história do Arquipélago de Chagos, no meio do Oceano Índico, contada a ele por uma testemunha em 2014.

“Um atobá-de-pé-vermelho adulto tinha pousado perto da entrada de uma toca de caranguejo-do-coco”, contou Laidre. “Enquanto o pássaro estava lá, o caranguejo emergiu lentamente de seu covil subterrâneo, aproximando-se do pássaro por trás. O caranguejo então agarrou o pássaro por uma perna e arrastou-o, lutando para dentro da toca”.

A testemunha nunca mais viu o pássaro.

A maior ilha do arquipélago é em forma de anel e três pequenas ilhas desabitadas estão em sua região. Laidre examinou cuidadosamente cada uma delas.

Dezenas de pássaros levantaram voo no momento em que ele pisou em uma das ilhas menores, escreveu ele, e “continuaram sobrevoando enquanto eu passava ao longo da ilha”.

Ninhos e ovos cobriam a praia rochosa desta ilha – e não havia um único caranguejo gigante à vista.

Mas nas outras duas pequenas ilhas ele viu dezenas de caranguejos-do-coco e alguns ninhos. Ele escreveu em seu artigo uma teoria evolutiva chamada “paisagens do medo” – que poucos animais ousariam fazer casas em lugares dominados por predadores.

Quando ele inspecionou a quarta ilha, Laidre se perguntou se os caranguejos simplesmente a governavam.

“Eu contei mais de 1.000 caranguejos em apenas 9 milhas, mas não observei nem mesmo um pássaro que nidifica no solo”, escreveu Laidre. Todos os ninhos estavam no alto das árvores e cocos rachados espalhavam-se pelo chão. Após cerca de um mês na ilha, em fevereiro de 2016, ele investigou o covil subterrâneo de um caranguejo gigante.

“No fundo da toca do caranguejo estava a carcaça de um atobá vermelho quase adulto”, escreveu ele.

Esse foi o primeiro sinal de Laidre de que as histórias poderiam ser verdadeiras, de que os caranguejos gigantes realmente estavam caçando pássaros. Ele teve sua prova um mês depois.

“No meio da noite”, escreveu Laidre, “observei um ataque de caranguejo-do-coco matar um atobá de pés vermelhos”.

“O pássaro estava dormindo em um galho baixo, a menos de um metro da árvore”, escreveu ele. “O caranguejo subiu lentamente.”

Ele observou o caranguejo pegar a asa do pássaro com suas grandes garras e quebrar os ossos sob as penas. O pássaro caiu no chão e o caranguejo desceu em perseguição.

Cerca de 90 segundos do que aconteceu a seguir foi documentado no vídeo do pesquisador, se você quiser assistir.

“Mais cinco caranguejos chegaram ao local em 20 minutos, provavelmente atraídos pelo sangue”, escreveu Laidre. Eles rasgaram o pássaro em pedaços e o levaram embora, e agora se sabe mais uma coisa sobre os gigantes caranguejos-de-coco dos oceanos Índico e Pacífico.

Traduzido e adaptado de The Washington Post.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários
Carregando...