Vírus de 15.000 anos nunca antes vistos são encontrados em geleira no Tibete

O gelo está derretendo à medida que o mundo se aquece e, às vezes, ele revela coisas que realmente preferíamos que ficassem escondidas.

Um estudo do gelo de uma geleira tibetana com quase 15.000 anos indica que pode incluir muitos vírus que nunca vimos antes. Os vírus encontrados até agora provavelmente não podem infectar humanos, muito menos ameaçar nossa saúde, mas ainda não sabemos o que mais está à espreita lá.

“Essas geleiras foram formadas gradualmente e, juntamente com poeira e gases, muitos, muitos vírus também foram depositados nesse gelo”, disse Zhi-Ping Zhong, da Universidade Estadual de Ohio, em comunicado. “As geleiras no oeste da China não são bem estudadas, e nosso objetivo é usar essas informações para refletir ambientes passados. E os vírus fazem parte desses ambientes”.

Zhong e co-autores ajudaram a resolver isso com um artigo na revista Microbiome, analisando núcleos de gelo coletados perto do cume de Guliya, a 6.700 metros acima do nível do mar. Os autores relataram encontrar os códigos genéticos de 33 vírus – apenas quatro dos quais eram conhecidos anteriormente. Esses quatro são fagos, vírus que infectam bactérias e são mais propensos a serem usados ​​por humanos do que a representar uma ameaça.

Naturalmente, sabemos menos sobre os outros 29 tipos de vírus, mas acredita-se que eles também vivam (se é que se pode dizer que um vírus está vivo) em micróbios ou plantas do solo, não em animais. Muitos de seus hospedeiros suspeitos, particularmente Methylobacterium, também foram encontrados presos no gelo.

“Estes são vírus que teriam prosperado em ambientes extremos”, disse o co-autor Professor Matthew Sullivan. “Esses vírus têm assinaturas de genes que os ajudam a infectar células em ambientes frios – apenas assinaturas genéticas surreais de como um vírus é capaz de sobreviver em condições extremas. Descontaminar os núcleos e estudar micróbios e vírus no gelo pode nos ajudar a procurar essas sequências genéticas em outros ambientes gelados extremos – como Marte, na Lua, ou mais perto de casa, no próprio deserto de Atacama .”

Encontrar vírus na Lua seria um choque para a ciência, para dizer o mínimo, mas os astrobiólogos adorariam aplicar essas técnicas a algumas luas externas do Sistema Solar.

Os micróbios foram encontrados pela primeira vez no gelo glacial há mais de um século. No entanto, foi apenas quando os cientistas se acostumaram com a ideia de um mundo onde o derretimento do gelo está acelerando que o tema tem sido muito estudado. Os vírus foram relatados no gelo glacial apenas duas vezes antes, mas isso pode refletir uma falha na observação ou o fato de que a maioria dos núcleos de gelo vem da Antártida e da Groenlândia, longe de fontes prováveis.

Em suma, provavelmente os vírus achados são realmente benéficos. Eles podem ajudar as bactérias a sobreviver em ambientes extremos próximos à geleira, por exemplo, transferindo genes que ajudam seus hospedeiros a adquirir nutrientes.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Comentários estão fechados.