Arqueólogos acabam de descobrir um antigo templo grego cheio de ouro e joias

por Lucas
0 comentário 11 visualizações

Uma equipe arqueológica de 50 pesquisadores na ilha grega de Eubeia fez descobertas significativas, notavelmente desenterrando altares datados de 2.700 anos atrás. Esses altares, carregados de joias preciosas e vestígios históricos, foram encontrados perto do antigo Templo de Amarysia Artemis em Eubeia, a segunda maior ilha do país. Além disso, os arqueólogos descobriram outro templo do século VII a.C., notável por seu uso extensivo.

Esse templo recém-descoberto, significativo por seus 30 metros de comprimento, é simbólico dos templos de cem metros comuns na Grécia antiga durante esse período. A escavação, concluída em 2023, revelou as paredes exteriores do templo e um arco no lado oeste. Dentro do templo, a equipe encontrou um número notável de estruturas, incluindo vários fogões provavelmente usados como altares. Entre eles, um altar em forma de ferradura se destacou pelo seu design único. Camadas espessas de cinzas, enriquecidas com ossos carbonizados, indicaram o uso contínuo do altar ao longo do tempo. A declaração da equipe mencionou, “A possibilidade de que alguns deles antecedam o templo não pode ser descartada.” O primeiro nível de uso do altar em forma de ferradura rendeu cerâmica datada do final do século VIII a.C.

Vista aérea do altar em forma de ferradura localizado no interior do templo. (Crédito da imagem: Ministério da Cultura via Facebook)

Vista aérea do altar em forma de ferradura localizado no interior do templo. (Crédito da imagem: Ministério da Cultura via Facebook)

As descobertas arqueológicas se estenderam além dos altares. Entre as descobertas estavam alabastro coríntio, vasos áticos e jarras rituais feitas localmente. Além disso, a equipe descobriu vários tesouros, incluindo joias de ouro, prata, coral e âmbar, amuletos do Oriente e peças de bronze e ferro.

A construção do templo revelou percepções sobre as condições da época. Construído com tijolos ásperos sobre uma sólida fundação de pedra seca, a estrutura indicava que o solo era pantanoso na época de sua construção. A parede interna do templo apresentava pilares sustentando um telhado de telhas. Evidências sugeriram que um incêndio destruiu parte do templo, levando à criação de divisórias de tijolos para proteger as seções restantes. Este incidente resultou em uma nova seção, provavelmente construída em direção ao final do século VI.

Nas seções mais antigas do templo, os pesquisadores descobriram figuras de bronze do período geométrico representando touros e um carneiro. Uma cabeça de touro de argila do período micênico também foi encontrada no local. A profundidade histórica do local se estende além do templo, com cortes de teste revelando restos de edifícios desde o início do século IX a.C. A declaração da equipe de pesquisa sugeriu que as origens do culto remontam aos séculos seguintes ao final do período micênico.

Escavações adicionais na colina onde o templo está localizado confirmaram a presença de “paredes imponentes da Idade do Cobre Inicial”, conforme descrito em uma postagem traduzida no Facebook pelo Ministério da Cultura. Essas paredes fazem parte de um sistema de fortificação de um assentamento pré-histórico.

Fontes: Popular Mechanics, Live Science

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.