Cordas cósmicas podem quebrar – e quando isso acontece, elas abalam o universo

por Lucas
0 comentário 66 visualizações

As cordas cósmicas, um conceito teórico em cosmologia, representam vestígios dos primeiros momentos do universo. Acredita-se que elas tenham se formado no primeiro segundo do Big Bang, um período marcado por intensas transições de fase. Essas transições, onde as forças da natureza se separaram, são consideradas responsáveis por introduzir imperfeições no tecido do espaço-tempo. As cordas cósmicas são consideradas uma dessas imperfeições.

A Natureza e a Estabilidade das Cordas Cósmicas

As características das cordas cósmicas, se existirem, são extraordinárias. Hipotetiza-se que sejam incrivelmente finas, com diâmetros não maiores que o de um próton, mas que poderiam se estender por todo o universo. Sua densidade é proposta como tão extrema que uma única milha de corda cósmica poderia superar a massa da Terra. Apesar de sua finura, teoriza-se que sejam quase indestrutíveis.

Antes de pesquisas recentes, a visão predominante era de que as cordas cósmicas, uma vez formadas, permaneceriam estáveis ao longo da história do universo. Acreditava-se que elas apenas diminuiriam se interseccionassem com outra corda ou formassem um laço, levando-as a decair em partículas e radiação de alta energia. No entanto, nenhuma evidência direta de cordas cósmicas foi detectada, levando a um dilema na cosmologia. Muitos modelos do universo primitivo preveem sua existência, mas sua aparente ausência levanta questões sobre sua formação e estabilidade reais.

Um novo estudo, ainda não revisado por pares, do Instituto Kavli para a Física e Matemática do Universo no Japão, sugere uma perspectiva diferente sobre a estabilidade das cordas cósmicas. O estudo postula que as cordas cósmicas podem não ser estáveis, mas sim “metaestáveis”. Metaestabilidade refere-se a um estado onde um sistema parece estável, mas qualquer perturbação pode levar a um novo arranjo. O estudo compara isso a estar temporariamente estacionário em um declive; um pequeno empurrão pode desalojar o sistema, fazendo-o continuar sua descida.

O estudo explora ainda mais a interação entre cordas cósmicas e monopólos magnéticos, outra entidade teórica postulada para existir. Monopólos magnéticos são cargas magnéticas singulares, norte ou sul, teorizadas para serem produzidas durante as transições de fase do universo primitivo. Perto das cordas cósmicas, o estudo sugere, monopólos e anti-monopólos podem se formar e se aniquilar mutuamente. Essa aniquilação libera energia que poderia potencialmente cortar uma corda cósmica, iniciando um processo de desestabilização.

Ondas Gravitacionais

Conforme uma corda cósmica se desestabiliza e se dissolve, teoriza-se que vibre. Essas vibrações poderiam ser uma fonte de ondas gravitacionais, ondulações no espaço-tempo que transportam energia pelo universo. A conexão potencial entre cordas cósmicas e ondas gravitacionais é significativa. Embora as próprias cordas cósmicas não tenham sido observadas, ondas gravitacionais foram detectadas. O estudo levanta a possibilidade de que algumas dessas ondas possam se originar das vibrações de cordas cósmicas dissolvendo-se.

A recente descoberta de um fundo de ondas gravitacionais adicionou uma nova dimensão a essa discussão. Astrônomos estão investigando essas ondas de fundo para determinar suas origens. O estudo do Instituto Kavli sugere que essas ondas possam estar ligadas à atividade de cordas cósmicas metaestáveis. No entanto, também é reconhecido que outros fenômenos, como colisões entre buracos negros, podem ser responsáveis por esses sinais gravitacionais.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.