Corpo de água de 12 bilhões de anos descoberto flutuando no espaço

por Junior
0 comentário 25 visualizações

Astrônomos do Caltech localizaram o maior reservatório de água conhecido no universo. Esse corpo colossal de água, encontrado em um quasar (imagem ilustrativa em destaque), está a cerca de 30 bilhões de trilhões de quilômetros da Terra. Os quasares estão entre os objetos mais brilhantes e dinâmicos do espaço.

A quantidade de vapor de água identificada é estonteante, excedendo 140 trilhões de vezes o volume de toda a água dos oceanos da Terra. Devido à sua imensa distância, este quasár oferece um vislumbre do passado do universo, já que sua luz levou 12 bilhões de anos para chegar até nós. Essas observações, portanto, fornecem uma janela para um tempo em que o universo tinha apenas 1,6 bilhão de anos.

Matt Bradford, cientista do Jet Propulsion Laboratory da NASA, enfatizou a singularidade do ambiente do quasár, destacando sua enorme produção de água. Ele comentou sobre a ubiquidade da água no universo, mesmo em seus primeiros momentos. Os quasares são impulsionados por buracos negros maciços consumindo gases e poeira circundantes, emitindo enormes quantidades de energia.

A presença de água no quasár foi em parte antecipada pelos astrônomos, já que eles esperam que o vapor d’água exista no início do universo. No entanto, o vapor d’água serve como um gás de rastreamento crucial que lança luz sobre a natureza dos quasares. Neste caso particular, o quasár apresentava vapor d’água distribuído em torno do buraco negro por centenas de anos-luz. Isso indica que o gás circundante é incomumente quente e denso por padrões astronômicos.

Esta descoberta destaca a importância de observar em comprimentos de onda milimétricos e submilimétricos. Nas últimas décadas, esse campo evoluiu rapidamente. Os pesquisadores envolvidos nesta descoberta agora planejam a construção do CCAT, um telescópio de 25 metros a ser instalado no Deserto do Atacama, no Chile. O CCAT é projetado para aprimorar a exploração das primeiras galáxias do universo, aproveitando as capacidades dessa tecnologia de observação avançada.

O estudo foi publicado no Arxiv.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.