Descoberta pele mumificada de criatura que viveu há 290 milhões de anos

por Lucas
0 comentário 38 visualizações

A pele semelhante à de crocodilo de uma espécie primitiva de réptil, datada de quase 290 milhões de anos atrás, representa a pele fossilizada mais antiga já encontrada. Essa descoberta retrocede o recorde anterior em 130 milhões de anos. A pele, originária da era Paleozoica, que durou de 541 milhões a 252 milhões de anos atrás, exibe características semelhantes às de outros répteis antigos. Ela apresenta escamas não sobrepostas, semelhantes a seixos. Essas escamas têm uma grande semelhança com a pele do dinossauro extinto Edmontossauro do Cretáceo e dos crocodilos modernos. Além disso, foram observadas regiões articuladas entre as escamas epidérmicas, semelhantes às estruturas de pele de cobras e lagartos.

Ethan Mooney, graduado em paleontologia pela Universidade de Toronto e coautor do estudo, expressou seu espanto em uma conversa com a Live Science: “Foi impressionante quando percebemos que esta era tecnicamente a peça mais antiga de uma pele mumificada apropriada”. Ele destacou a raridade de tais achados, afirmando: “Impressões de pele são raras no registro fóssil, mas mais comuns do que pele mumificada apropriada. Nosso molde de pele (que é pele mumificada), é 130 milhões de anos mais antigo do que o exemplo mais antigo de pele mumificada apropriada, a maioria dos quais vem de dinossauros”.

Pele fossilizada da criatura de 290 milhões de anos. (Crédito da imagem: Current Biology Mooney et al)

Pele fossilizada da criatura de 290 milhões de anos. (Crédito da imagem: Current Biology Mooney et al)

O detentor do recorde anterior para o fóssil de pele mais antigo confirmado era de um dinossauro. No entanto, Robert Reisz, autor principal do estudo, também mencionou à Live Science sobre outro fóssil da Rússia, aproximadamente 21 milhões de anos mais jovem que o recém-descoberto. Reisz observou que este espécime requer mais estudos para confirmar sua natureza como pele.

Esta camada mais externa da pele é comum em répteis terrestres, aves e mamíferos. A estrutura desta pele pode ter sido crucial para a transição e sobrevivência de espécies passando de ambientes aquáticos para totalmente terrestres, oferecendo proteção aos seus órgãos dos elementos externos.

O fóssil, do tamanho de uma unha, foi encontrado no sistema de cavernas de calcário de Richards Spur em Oklahoma, preservado em sedimentos de argila ao lado de outros espécimes. Os pesquisadores sugerem que a composição do sistema de cavernas de sedimentos de argila fina, combinada com a infiltração de óleo e um ambiente sem oxigênio, provavelmente contribuiu para a desaceleração da decomposição e preservação da amostra.

O exame microscópico do fóssil revelou tecidos epidérmicos típicos na pele de amniotas. Os amniotas são um grupo de vertebrados terrestres que incluem répteis, aves e mamíferos, que evoluíram de ancestrais anfíbios durante o período Carbonífero. Na época da existência desta criatura, o mundo ainda não tinha visto o surgimento dos dinossauros, e a vida era predominantemente composta por vertebrados de quatro patas com aparências semelhantes a peixes. Um estudo de 2009 sugere que esses primeiros tetrápodes poderiam ter se assemelhado a crocodilos, lagartos, enguias e cobras.

Mooney, ao discutir a aparência desses ancestrais antigos, disse: “muito répteis se você os visse hoje”. Ele acrescentou que a “pele mumificada e as impressões associadas provavelmente nos mostram como seria a pele desses répteis ancestrais”. No entanto, sem nenhum esqueleto ou outros restos encontrados junto com a pele, permanece impossível identificar a espécie exata ou a parte do corpo de onde a pele se originou. Mooney também comentou sobre a importância de descobrir pele fossilizada semelhante à de animais vivos hoje, enfatizando seu papel na transição bem-sucedida dessas criaturas de habitats aquáticos para terrestres e sua subsequente evolução em aves, mamíferos e répteis.

O estudo foi publicado em 11 de janeiro na revista Current Biology.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.