Heterocromia: a mutação rara que afeta menos de 1% das pessoas

por Lucas
0 comentário 77 visualizações

Heterocromia iridum ou iridis, comumente referida como heterocromia, é uma característica distinta na íris do olho, onde são presentes diferenças de cor. A íris é a parte colorida do olho, e a heterocromia se manifesta em várias formas. O tipo mais reconhecido é a heterocromia completa, onde cada íris é de uma cor diferente. Além disso, existem formas parciais de heterocromia, que incluem a heterocromia setorial e central.

A heterocromia setorial é caracterizada por um segmento da íris que difere em cor do resto. Esse segmento pode aparecer como uma fatia de torta ou às vezes como áreas salpicadas dentro da íris. Um exemplo de uma pessoa com heterocromia setorial é o ator Bill Pullman, conhecido por seu papel em “Independence Day”. Em contraste, a heterocromia central envolve duas cores dentro da mesma íris, apresentando-se tipicamente como um anel interno que difere em cor da parte externa da íris.

Bill Pullman

Bill Pullman | Reprodução

Heterocromia é uma condição rara em humanos, afetando menos de 200.000 indivíduos nos Estados Unidos, ou menos de 1% da população global. Não é exclusiva dos humanos e é observada em várias espécies de animais. É particularmente comum em certas raças de cavalos, gatos e cães. Raças como huskies siberianos, border collies e dálmatas frequentemente exibem essa característica. Curiosamente, a heterocromia também foi observada em um coala.

A causa da heterocromia é frequentemente atribuída a mutações genéticas. Essas mutações resultam em uma mudança na sequência de DNA dos genes que influenciam a cor dos olhos, levando às diferenças de cor observadas na heterocromia. Essa mutação pode ocorrer espontaneamente ou ser herdada como um traço autossômico dominante. Em casos de herança, apenas um dos pais precisa passar a mutação para que a prole desenvolva heterocromia. Quando a heterocromia é causada por tais mutações genéticas isoladas, ela é tipicamente inofensiva.

Um husky com Heterocromia

Um husky com Heterocromia | Wikimedia

Além de fatores genéticos, a heterocromia também pode se desenvolver devido a várias outras razões. Em humanos, condições congênitas como a síndrome de Waardenburg podem levar à heterocromia. A síndrome de Waardenburg é uma condição genética que afeta a pigmentação da pele, cabelo e olhos. Outra condição associada à heterocromia é a neurofibromatose tipo 1. Esta condição é caracterizada pelo crescimento de tumores ao longo dos nervos e também pode apresentar heterocromia como um sintoma.

Heterocromia pode ser adquirida por outros meios, como lesões, certas condições médicas como glaucoma, o uso de colírios específicos, tumores ou a aplicação de soros projetados para engrossar os cílios.

Em termos de tratamento, não existe um procedimento médico específico para a heterocromia. No entanto, é aconselhável consultar um médico para garantir que a heterocromia não seja um sintoma de uma condição subjacente que requer tratamento. Se a heterocromia for benigna, mas um indivíduo preferir ter uma cor uniforme nos olhos, os médicos podem prescrever lentes de contato coloridas para alcançar essa mudança cosmética.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.