Novas medições medem exatamente como será o dia da Terra de 24 para 25 horas

por Lucas
3 comentários 32 visualizações

Cientistas da Universidade Técnica de Munique (TUM) realizaram um avanço significativo na medição da velocidade de rotação da Terra com alta precisão. Seu instrumento laser “ultrapreciso” aprimorado forneceu novas percepções, sugerindo que o comprimento de um dia na Terra gradualmente se estenderá de 24 para 25 horas ao longo dos próximos 200 milhões de anos. Essa mudança gradual, ocorrendo milissegundo por milissegundo, tem implicações profundas para nosso entendimento da dinâmica da Terra.

O instrumento, constantemente aperfeiçoado desde sua introdução em 2011 no Observatório Geodésico de Wettzell da TUM, emprega um laser anular para detectar variações mínimas na rotação da Terra. Essas medições são cruciais para uma ampla gama de empreendimentos científicos, desde a astronomia até a modelagem climática.

Os Movimentos Complexos da Terra

A Terra, com sua composição heterogênea de componentes sólidos e líquidos, não gira uniformemente. Essa diversidade em densidade e distribuição de massa influencia diretamente a velocidade de rotação do planeta em vários pontos. Além disso, a interação da Terra com a Lua e o Sol também desempenha um papel significativo na alteração do comprimento dos nossos dias.

Essa complexidade não se limita apenas à rotação da Terra. O planeta também experimenta um balanço em seu eixo, afetando ainda mais sua velocidade de rotação. Compreender essas variações mínimas é vital para a precisão em campos como meteorologia e modelos de previsão climática. Como afirma o Professor Ulrich Schreiber, líder do projeto, a precisão dessas medições é chave para desenvolver modelos climáticos precisos e entender fenômenos meteorológicos como o El Niño.

Um Salto na Precisão

O instrumento da TUM é único em sua capacidade de capturar dados com precisão sem precedentes. Medindo as diferenças de frequência em dois feixes de luz, o dispositivo pode detectar flutuações diárias na rotação da Terra, tão sutis quanto 1 a 3 microhertz. Esse nível de detalhe é essencial para que os cientistas localizem com precisão a posição da Terra no espaço.

Apesar de sua precisão, o instrumento não está isento de desafios. A assimetria entre os dois feixes de laser introduz erros de medição. No entanto, engenheiros da TUM desenvolveram um novo algoritmo de correção que compensa essas discrepâncias de longo prazo, alcançando precisão de até nove casas decimais.

Implicações para o Futuro

Esses avanços permitem que os cientistas rastreiem mudanças na velocidade de rotação da Terra com notável precisão. Por exemplo, deduziram que o comprimento de um dia era significativamente mais curto no passado distante – apenas 18 horas e 41 minutos há 1,5 bilhão de anos. Essa desaceleração da rotação da Terra é um processo contínuo, e estima-se que em 200 milhões de anos, os dias durarão entre 24 a 25 horas.

Esta pesquisa não apenas aprimora nosso entendimento da natureza dinâmica da Terra, mas também sublinha a importância da precisão nas medições científicas. À medida que continuamos a explorar as complexidades de nosso planeta, ferramentas como o instrumento laser da TUM serão inestimáveis para desvendar os mistérios da rotação sempre mutável da Terra e seu impacto na vida como a conhecemos.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.

3 comentários

Jaime 29/11/2023 - 20:07

Eu acho q tudo está relacionado ao uso dos pivôs centrais para irrigações. Se nós usaremos as águas dos rios e das chuvas, nós voltaremos a ter uma estabilidade no planeta.

Comentar
Fernando Reis. 30/11/2023 - 15:56

Redução do tempo está profetizando, e quem profetizou não mentia, foi Sr. Jesus, que os final dos dias, Deus abreviaria os tempos, se não carne nenhuma se salvaria. Os céticos podem não acreditar, mas a verdade está aí.

Comentar
Elvis 30/11/2023 - 17:09

200 milhões de anos . Kkkkkk

Comentar