Orcas estão atacando barcos, e cientistas finalmente descobriram o motivo

por Lucas
0 comentário 687 visualizações

Desde 2020, um grupo de orcas da Península Ibérica, conhecido como orcas ibéricas, tem se aproximado bastante dos barcos nas costas de Marrocos, Espanha e Portugal. Esses encontros, que somam pelo menos 673, são muito mais do que qualquer um já viu antes. E vamos ser honestos, essas interações não terminam bem para os barcos. As orcas têm uma preferência especial por veleiros de médio porte com menos de 12 metros, concentrando-se nos lemes de espadeiro.

Nem todos esses encontros resultam em desastre, mas alguns barcos azarados já encontraram seu fim. Um iate polonês afundou no Estreito de Gibraltar em novembro de 2023, marcando um dos incidentes mais dramáticos. Preocupados com os marinheiros e com as orcas criticamente ameaçadas, os governos da Espanha e Portugal encomendaram um relatório para decifrar esse comportamento estranho. O relatório, elaborado por biólogos, especialistas da indústria marítima e oficiais do governo, finalmente foi divulgado na última sexta-feira, esclarecendo a situação e oferecendo alguns conselhos práticos.

Primeiro de tudo, apesar das teorias selvagens que circulam na Internet sobre uma revolta revolucionária das orcas, o relatório esclarece que as baleias não estão sendo agressivas. Elas estão apenas brincando, graças a terem mais tempo livre. Com mais presas disponíveis ultimamente, essas orcas não estão gastando tanto tempo caçando, o que significa mais tempo para diversão e jogos.

“O workshop concluiu que não havia evidências de interações agressivas entre as orcas ibéricas e os barcos”, afirma o relatório. “O comportamento parece estar ligado a brincadeiras ou socialização, talvez impulsionado pela maior disponibilidade de presas e menos interações negativas com as pescas.”

As orcas são conhecidas por seus comportamentos peculiares e modismos temporários. Elas pegam novos truques e os abandonam rapidamente. Diferentes populações de orcas têm hábitos culturais únicos passados de geração em geração, frequentemente relacionados às suas técnicas específicas de caça. Às vezes, essas tradições evoluem para comportamentos estranhos e aparentemente sem propósito.

Por exemplo, as orcas de Puget Sound, no final dos anos 80. Uma fêmea do K-pod decidiu carregar um salmão morto no nariz, e logo isso virou moda. Outras orcas aderiram, e logo, chapéus de salmão morto eram o grande sucesso. Mas, assim como surgiu, a moda desapareceu, com apenas algumas orcas revisitando-a brevemente no verão seguinte e novamente em 2008.

O relatório também menciona um grupo de orcas macho que periodicamente se envolve em “colisões ritualizadas” ou cabeçadas, um comportamento que pode desaparecer por décadas e depois ressurgir.

A atual mania de colisões com barcos pode ter evoluído de uma atividade menos destrutiva conhecida como “observação de hélices”, onde as baleias nadam perto do rastro do propulsor dos barcos. Nenhum outro grupo de orcas levou isso ao nível de danificar lemes como essas orcas ibéricas. A abundância de juvenis e mais tempo livre pode estar impulsionando esse comportamento brincalhão, embora destrutivo.

O relatório sugere que as brincadeiras começaram com jovens que inicialmente não causavam danos. À medida que esses juvenis cresceram, também cresceu a intensidade de suas brincadeiras, resultando em interações mais notáveis e prejudiciais.

Uma situação semelhante foi observada com um grupo de orcas residentes do sul em Washington, EUA. Essas orcas brincam com botos no porto, muitas vezes até matá-los. É uma reviravolta sombria na natureza brincalhona delas, mostrando até onde esses comportamentos podem escalar.

Entender que as orcas não estão sendo agressivas pode ajudar a reduzir encontros perigosos. Tentativas de afastar as baleias, embora ilegais devido ao seu status de perigo crítico, muitas vezes saem pela culatra. Elas podem até reforçar o comportamento, transformando os barcos em objetos de diversão. Embora barulhos altos possam ser necessários em emergências, eles podem tornar o jogo de “quebrar o barco” ainda mais empolgante para as baleias.

Então, qual é a solução? Tornar os barcos menos interessantes. Orcas têm nadado perto de pequenos barcos de pesca em Marrocos há anos sem problemas, provavelmente porque esses lemes são chatos para elas. O relatório sugere modificar os lemes para serem abrasivos ou ásperos, o que pode torná-los menos atraentes sem prejudicar as baleias. Um teste desses lemes modificados está previsto para este verão.

Por enquanto, o melhor conselho para os marinheiros é evitar provocar as baleias e afastar-se rapidamente delas. Se encontrar orcas, vá pelo menos 2 a 3 quilômetros para longe de onde as viu, seja em direção à costa ou para uma área onde o resgate seja mais fácil. Isso não garante segurança, mas pode reduzir as chances de danos. Sempre alerte as autoridades ao primeiro sinal de um encontro para uma resposta mais rápida se as coisas derem errado.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.