“Pirâmide” de 25.000 provavelmente não foi feita por humanos

por Lucas
0 comentário 64 visualizações

No mês passado, um estudo surpreendente publicado na “Archaeological Prospection” ganhou as manchetes, com uma afirmação impressionante: a montanha indonésia Gunung Padang, traduzida como “Montanha da Iluminação”, não é uma formação natural, mas a pirâmide mais antiga do mundo, construída por humanos antigos. O estudo sugere que entre 25.000 e 14.000 anos atrás, humanos moldaram meticulosamente Gunung Padang. Esse período antecede o surgimento da agricultura e posiciona a estrutura como muito mais antiga que as pirâmides mais velhas conhecidas.

Os pesquisadores também sugeriram que Gunung Padang esconde câmaras ocultas e foi deliberadamente enterrada várias vezes para preservar sua identidade. Tais revelações, se comprovadas verdadeiras, alterariam dramaticamente nosso entendimento da civilização humana primitiva e das capacidades arquitetônicas.

Ceticismo

Contudo, as ousadas afirmações do estudo foram recebidas com considerável ceticismo. Lutfi Yondri, um arqueólogo do BRIN em Bandung, Indonésia, expressou dúvidas, citando evidências de que as populações locais viviam em cavernas até recentemente, 6.000 anos atrás, e não mostraram sinais das habilidades avançadas de alvenaria necessárias para criar tal estrutura monumental. As descobertas de Yondri desafiam a noção de que pessoas daquela época tinham a capacidade de construir uma pirâmide milhares de anos antes.

Flint Dibble, um arqueólogo da Universidade de Cardiff no Reino Unido, reconheceu que, embora o estudo seja baseado em dados legítimos, as conclusões tiradas são especulativas. A confiança da equipe na datação por carbono para apoiar sua teoria, apontando para amostras de solo do local datando de 27.000 anos atrás, foi questionada. Outros especialistas observaram que essas amostras não apresentam indícios de atividade humana, como fragmentos de osso ou carvão. A ausência de tais sinais lança dúvidas sobre a afirmação de que o solo é evidência de construção humana antiga.

Além disso, artefatos apresentados pela equipe, como uma pedra em forma de adaga alegadamente feita pelo homem, não mostram sinais claros de artesanato humano. Essa discrepância enfraquece ainda mais as conclusões do estudo.

Diante dessas preocupações, a revista que publicou o estudo está atualmente revisando-o, embora não tenha divulgado detalhes específicos sobre sua investigação. A comunidade arqueológica geralmente favorece uma explicação mais conservadora para Gunung Padang, sugerindo que é provavelmente uma formação geológica natural. Como Dibble explicou à Nature, materiais rolando morro abaixo naturalmente se orientariam de uma maneira que poderia ser mal interpretada como feita pelo homem. [IFLScience]

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.