Por que a turbulência em voos está ficando cada vez mais forte?

por Lucas
0 comentário 313 visualizações

Voar pode ser uma aventura turbulenta, especialmente quando a turbulência decide aparecer. Talvez você tenha ouvido falar sobre o recente voo de Londres para Cingapura que se transformou em um pesadelo devido a uma turbulência severa, causando ferimentos e até uma trágica morte. Embora esses casos extremos sejam raros, a turbulência em si é um incômodo bastante comum nas alturas. Então, o que é a turbulência e por que ela nos mantém em alerta (ou em nossos assentos, na verdade)?

O que é a turbulência?

A turbulência acontece quando as correntes de ar se misturam e criam redemoinhos caóticos conhecidos como vórtices. Imagine isso: você está dirigindo e, de repente, passa por um buraco – o carro balança, certo? A turbulência é meio assim, mas a milhares de metros de altura. Essas viagens turbulentas podem ser desencadeadas por tempestades, grandes nuvens cumulonimbus ou até mesmo pelo ar que se desvia ao redor de montanhas. Quando um avião passa por essas áreas turbulentas, ele pode perder altitude de repente, fazendo seu estômago dar cambalhotas.

Na maioria das vezes, a turbulência é apenas um pequeno inconveniente. Os pilotos são treinados para evitar essas áreas turbulentas usando relatórios meteorológicos, previsões e radar em voo. Eles também contam com o enorme para-brisa na frente do avião – sim, às vezes eles simplesmente olham pela janela. Mas existe um tipo de turbulência sorrateira que é mais difícil de evitar: a turbulência de ar claro (CAT, na sigla em inglês). A CAT é a ninja da turbulência – não aparece nos radares e ataca do nada, geralmente onde correntes de ar frio e quente se encontram, como nas correntes de jato.

Turbulência é perigosa?

Agora, sejamos realistas. A turbulência pode ser assustadora, mas é perigosa? As companhias aéreas sempre dizem para você apertar o cinto e prender seus pertences porque, quando um avião enfrenta turbulência, é como estar em uma montanha-russa sem o cinto de segurança. Como Paul Williams, professor de ciência atmosférica, diz: “Se você não estiver com o cinto, vai se tornar um projétil. Vai levantar direto do seu assento.” E ninguém quer ser um canhão humano, certo? Objetos soltos também podem voar, o que não é divertido para ninguém. Por isso, a luz do cinto de segurança não é brincadeira.

Apesar do fator medo, lesões e mortes causadas por turbulência são incrivelmente raras. As estatísticas da Administração Federal de Aviação (FAA) mostram que, de 2009 a 2022, houve apenas 163 lesões graves devido à turbulência. Para colocar em perspectiva, o maior número em um único ano foi de apenas 18. Então, embora seja sensato manter-se com o cinto, as chances de se machucar são bem pequenas.

Cada vez mais fortes

Mas aqui está o ponto interessante – a turbulência pode estar piorando. Sim, você pode culpar a mudança climática por isso. Alguns cientistas, como Paul Williams e sua equipe na Universidade de Reading, têm rastreado tendências de turbulência e descobriram que a turbulência de ar claro sobre o Atlântico Norte aumentou 55% desde 1979. Esse aumento está ligado à mudança climática que está alterando as correntes de jato. Williams diz que podemos ver a turbulência severa dobrar ou até triplicar nas próximas décadas se as coisas continuarem esquentando.

Então, o que isso significa para seus futuros voos? Em resumo, aperte o cinto, pois os céus tranquilos podem ser coisa do passado. A turbulência veio para ficar e pode estar ficando mais forte. Quer você seja um viajante frequente ou faça viagens ocasionais, mantenha o cinto de segurança afivelado e sua bagagem de mão segura. Os céus podem estar ficando um pouco mais turbulentos, mas com um pouco de preparação e um bom aperto no braço do assento, você estará pronto para o que o céu lhe reservar.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.