Caverna da Idade da Pedra encontrada exatamente como foi deixada há 17.000 anos

por Junior
0 comentário 1 visualizações

Arqueólogos do norte da Espanha fizeram uma descoberta importante na caverna La Garma, localizada em Cantabria. Este sítio, datado de 16.800 anos, é descrito como uma das “habitações paleolíticas mais bem conservadas do mundo”. A caverna foi inicialmente descoberta em 1995 e desde então tem sido um ponto focal para a compreensão da vida humana durante o período Paleolítico Superior. O espaço de vida dentro da caverna parece quase intocado desde o seu abandono, apresentando uma variedade de ferramentas e artefatos espalhados pelo chão, fornecendo um vislumbre único do passado.

La Garma foi habitada durante todo o Paleolítico Superior e possui uma das coleções mais completas de arte rupestre da Europa. A arte abrange da Idade da Pedra Lascada até o período Magdaleniano, por volta de 17.000 anos atrás, quando um desabamento de pedras fechou a entrada, preservando efetivamente o conteúdo da caverna como uma cápsula do tempo pré-histórica. Apesar de sua importância histórica, a antiga habitação na caverna permaneceu desconhecida até as escavações recentes.

Artefatos e pesquisas em andamento

O espaço de vida dentro da caverna La Garma, conforme descrito pela Universidade de Cantabria, é ovalado, medindo cerca de 5 metros quadrados, e é definido por blocos de pedra e estalagmites. Essa estrutura provavelmente sustentava um abrigo feito de varas e couro, ancorado em uma saliência da parede da caverna. No centro do espaço de vida há um fogão, ao redor do qual foram encontrados inúmeros objetos do dia a dia.

Entre os 4.614 artefatos recuperados até agora estão ferramentas para a produção de artefatos de pedra, chifre e osso, e instrumentos usados ​​no abate de animais e no trabalho de couro. Notavelmente, os pesquisadores encontraram lanças, agulhas e um “proto-arpão”. Esses objetos utilitários são acompanhados por peças artísticas, incluindo um osso de uroxão gravado representando um uroxão e um rosto humano, uma descoberta única na Europa Paleolítica. Além disso, foram recuperados colares feitos de ossos de veado, cavalo e bisão, provavelmente usados ​​pelos habitantes da caverna.

O local também apresenta evidências de ocupação humana nas cavernas circundantes em várias épocas históricas, incluindo aterros sanitários da Idade da Pedra Média, sepulturas da Idade do Cobre e do Bronze e forte e túmulos da Idade do Ferro do período visigótico e da Idade Média. Essas descobertas sugerem uma longa história de atividade humana dentro e ao redor da caverna.

Os esforços de escavação e análise atuais estão em andamento, utilizando técnicas não invasivas para descobrir mais sobre La Garma, garantindo ao mesmo tempo sua preservação. Mais detalhes sobre as descobertas são esperados para serem compartilhados em uma coletiva de imprensa no Museu Nacional de Arqueologia em fevereiro de 2024. Esta pesquisa contínua promete lançar mais luz sobre a vida e a cultura dos humanos paleolíticos e sua interação com o meio ambiente.

Fonte: Universidade de Cantábria

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.