Enorme depósito de gelo com quase 4 quilômetros de espessura descoberto sob o equador de Marte

por Lucas
0 comentário 16 visualizações

Cientistas planetários fizeram uma descoberta significativa em Marte, identificando o que parece ser um grande depósito de gelo de água próximo ao equador do planeta. Essa descoberta decorre da investigação de depósitos profundos peculiares sob a Formação Medusae Fossae (MFF), inicialmente descoberta há quase duas décadas. Os dados recentes indicam que esses depósitos são excepcionalmente ricos em gelo.

A MFF, caracterizada por suas características esculpidas pelo vento, cobre uma área aproximadamente um quinto do tamanho dos Estados Unidos continentais. É notável por ser a maior fonte única de poeira em Marte, estendendo-se até a Cratera Gale, atualmente explorada pelo rover Curiosity da NASA.

Dados da espaçonave Mars Express da Agência Espacial Europeia forneceram insights sobre a extensão deste gelo. De acordo com essas descobertas, o volume de gelo é tão substancial que, se derretido, poderia envolver a superfície marciana em uma camada de água entre 1,5 e 2,7 metros de profundidade. Essa quantidade é comparável ao volume de água no Mar Vermelho da Terra.

Mapa da espessura potencial do gelo no QFP.Crédito da imagem: ESA

Mapa da espessura potencial do gelo no QFP.
Crédito da imagem: ESA

Dr. Thomas Watters do Smithsonian Institution, EUA, que é o autor principal tanto da nova pesquisa quanto do estudo inicial de 2007, comentou sobre as descobertas. “Exploramos a MFF novamente usando dados mais recentes do radar MARSIS da Mars Express, e descobrimos que os depósitos são ainda mais espessos do que pensávamos: até 3,7 km de espessura,” ele declarou. Ele também observou que os sinais de radar observados são consistentes com o que seria esperado de gelo em camadas e são semelhantes aos vistos nos polos marcianos, conhecidos por serem ricos em gelo.

As observações iniciais levaram os pesquisadores a considerar a possibilidade de o depósito ser rico em gelo, dada sua transparência ao radar e sua baixa densidade, o que sugeriu que não era rocha dura. No entanto, eles não puderam descartar a possibilidade de ser um vasto depósito de poeira, cinza vulcânica ou sedimentos.

Andrea Cicchetti do Instituto Nacional de Astrofísica da Itália, co-autora do estudo, explicou a importância dos novos dados de radar. “É aqui que entram os novos dados de radar! Dada a profundidade, se a MFF fosse simplesmente um gigantesco monte de poeira, esperaríamos que ela se compactasse sob seu próprio peso,” ela declarou. Essa compactação resultaria em uma densidade muito maior do que a observada com o MARSIS. Cicchetti mencionou que a modelagem de diferentes materiais sem gelo não reproduziu as propriedades da MFF, levando à conclusão de que o gelo é necessário para explicar as observações.

O entendimento atual é que a MFF consiste em vastas camadas de gelo e poeira, cobertas por uma camada protetora de poeira ou cinzas com várias centenas de metros de espessura. Acredita-se que esta camada tenha preservado o gelo, embora a duração dessa preservação permaneça incerta.

Colin Wilson, cientista do projeto ESA para o Mars Express e o ExoMars Trace Gas Orbiter (TGO), comentou sobre as implicações mais amplas da descoberta. “Esta última análise desafia nosso entendimento da Formação Medusae Fossae e levanta tantas perguntas quanto respostas,” ele declarou. Ele ponderou sobre a idade desses depósitos de gelo e as condições em Marte na época de sua formação. Wilson sugeriu que, se confirmado ser gelo de água, esses depósitos alterariam significativamente nosso entendimento da história climática de Marte e apresentariam um alvo atraente para futuras explorações humanas ou robóticas.

Fonte: ESA

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.