Fotógrafo captura ‘flash verde’ extremamente raro vindo de Vênus

por Lucas
0 comentário 129 visualizações

Vênus foi recentemente observado exibindo um fenômeno raro e cativante no céu noturno sobre a Suécia. Esse acontecimento foi caracterizado por um breve, mas vívido lampejo verde. Esse evento, que espelha os raros lampejos verdes ao redor do sol durante amanheceres e entardeceres, foi documentado pelo fotógrafo Peter Rosén. No dia 8 de janeiro, Rosén estava observando a ascensão de Vênus acima do horizonte em Estocolmo durante as primeiras horas, quando capturou essa exibição colorida.

O brilho de Vênus, que persistiu por aproximadamente um segundo, foi descrito como um “bônus inesperado” por Rosén, realçando o que já era uma experiência fascinante. Esse fenômeno, também observável com o sol, especialmente durante sua subida acima de um horizonte oceânico, é resultado da refração da luz de corpos celestes à medida que atravessa a atmosfera da Terra.

Fotógrafo captura 'flash verde' extremamente raro vindo de Vênus

A luz, em sua forma visível, compreende várias ondas, cada uma correspondendo a diferentes cores. Estas, coletivamente, conferem uma aparência branca aos raios. Quando a luz do sol, ou de planetas próximos como Vênus, passa através da atmosfera da Terra, os comprimentos de onda individuais passam por uma refração parcial causada pelas moléculas de gás atmosférico. Um exemplo comum desse processo refrativo é a cor azul do céu diurno, atribuída à dispersão de comprimentos de onda azuis mais do que qualquer outro.

Sob condições específicas, como céus limpos e o objeto celeste estando próximo ao horizonte (o que necessita que a luz viaje através de uma camada atmosférica mais espessa para alcançar um observador), os comprimentos de onda da luz podem se separar completamente. Nesse cenário, comprimentos de onda mais curtos, como azuis e violetas, são amplamente dispersados, enquanto comprimentos de onda mais longos, como vermelhos, laranjas e amarelos, são mais facilmente absorvidos pelas moléculas atmosféricas. Consequentemente, comprimentos de onda verdes de médio espectro às vezes tornam-se as únicas cores visíveis a um observador. No entanto, o ângulo de visão deve ser preciso para que isso ocorra, resultando na aparência de um breve lampejo.

No caso da recente observação de Vênus, o verde foi a cor predominante observada no lampejo. Com uma inspeção mais próxima, outras cores como amarelo, laranja, vermelho e azul também foram notadas cintilando ao redor do planeta.

O fenômeno atmosférico não se limita à luz visível de corpos celestes. Sob certas condições, cristais de gelo na atmosfera podem refratar a luz do sol, criando nuvens coloridas como arco-íris e halos ao redor do sol ou da lua. Da mesma forma, esse efeito pode gerar anéis de arco-íris ao redor de objetos pela refração da luz por grandes grãos de pólen flutuante.

Brilhos verdes, similares ao observado de Vênus, foram previamente registrados de outros corpos celestes, incluindo Mercúrio e a lua. Esses lampejos planetários diferem dos lampejos verdes solares, que são mais comumente observados acima do ar límpido do oceano. Lampejos planetários, inversamente, são mais frequentemente vistos através de ar extremamente frio, o que intensifica o efeito refrativo. Diferentemente dos lampejos verdes solares, lampejos planetários não são tão estritamente confinados ao horizonte.

Fonte: Live Science

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.