Geocientista explica o que aconteceria se a Terra parasse de girar repentinamente

por Lucas
0 comentário 51 visualizações

A ideia de a Terra parar de girar, muitas vezes um tema de ficção especulativa, levanta questões intrigantes sobre as consequências físicas de tal evento. Joseph Levy, professor associado de ciências da Terra e ambientais na Universidade de Colgate, oferece insights sobre o cenário hipotético em que a Terra para de girar repentinamente. Esta exploração no reino da física e das geociências revela uma série de eventos catastróficos, baseados em princípios científicos, que seguiriam essa parada sem precedentes.

A Terra parando de girar de forma abrupta

No equador, a Terra gira a uma velocidade de aproximadamente 1.674 quilômetros por hora. Se a Terra parasse repentinamente, objetos e pessoas, devido à inércia, continuariam se movendo para leste em suas velocidades iniciais. Isso significa que uma pessoa no equador seria impulsionada para leste a cerca de 1.674 quilômetros por hora. Esse deslocamento súbito e violento, independentemente da superfície de aterrissagem, provavelmente seria fatal devido à imensa força do impacto.

Os corpos d’água não estariam isentos dessa parada abrupta. Os oceanos experimentariam um intenso balanço, resultado das mesmas forças inerciais atuando sobre a água. Tal movimento colossal de água poderia levar a ondas de maré sem precedentes e inundações massivas, remodelando as costas e inundando massas de terra.

A integridade estrutural de prédios e outras construções seria severamente comprometida. Levy explica que os materiais terrestres, embora fortes sob compressão, são fracos sob tensão. A inércia da parada súbita da Terra exerceria imensas forças horizontais, sobrecarregando a resistência dos materiais, como a argamassa em prédios de tijolos. Consequentemente, essas estruturas poderiam desintegrar-se, levando a destruição generalizada.

Quanto mais próximo alguém estiver dos polos, menos severos seriam os efeitos. Em altas latitudes, perto dos polos, a velocidade de rotação da Terra diminui significativamente. Por exemplo, alguém a aproximadamente onze quilômetros dos polos, ou a cerca de 89,9 graus de latitude, experimentaria muito menos força e poderia apenas tropeçar para frente a um ritmo de caminhada. No entanto, a maioria das áreas habitadas por humanos estão longe o suficiente dos polos, o que significa que a maioria da população mundial ainda estaria sujeita a forças devastadoras.

E de forma gradual?

Se a Terra parasse de girar gradualmente, os efeitos imediatos da inércia seriam atenuados, mas outras mudanças de longo prazo e igualmente destrutivas surgiriam. Uma parada completa na rotação da Terra resultaria em um ciclo dia-noite de um ano. Cada hemisfério enfrentaria seis meses de luz solar contínua seguidos por seis meses de escuridão. Essa exposição prolongada ao sol levaria a temperaturas extremas, devastando a agricultura e causando evaporação significativa de água na metade iluminada da Terra. Por outro lado, a metade escura experimentaria frio extremo, possivelmente congelando corpos d’água e matando a maior parte da vida vegetal.

A perturbação do atual sistema climático da Terra seria inevitável. O padrão usual de radiação solar atingindo o equador e o ar quente subindo e esfriando sobre os polos seria alterado. O novo gradiente de temperatura criaria padrões climáticos complexos, com ventos varrendo o terminador, a linha que separa os lados diurno e noturno do planeta. Esses ventos trariam ar frio do lado noturno para o lado diurno, onde ele se aqueceria e subiria, complicando ainda mais a previsão do tempo.

A possibilidade de a rotação da Terra parar devido a forças naturais é mínima. Levy menciona o freio de maré, um processo em que a gravidade da Lua exerce uma pequena arrastação na rotação da Terra. Esse processo desacelera a rotação da Terra em 2,3 milissegundos por século, segundo a NASA, mas é altamente improvável que isso leve a rotação da Terra a uma parada completa. O momento angular da Terra, significativamente maior do que o da Lua, serve como uma barreira formidável a tal cenário.

Um conceito hipotético, mas cientificamente intrigante, é a utilização da energia rotacional da Terra para atender às necessidades energéticas humanas. Levy sugere que, mesmo que a humanidade aproveitasse a energia cinética da Terra como um sistema de volante gigante, levaria cerca de 1 milhão de anos para desacelerar o planeta até parar. Isso destaca a imensa escala de energia contida na rotação da Terra.

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.