Impressionante “rocha” de ágata é um ovo de dinossauro de 60 milhões de anos

por Lucas
0 comentário 5 visualizações

O Museu de História Natural de Londres abriga, desde 1883, um exemplar considerado simplesmente uma ágata rosa e branca. No entanto, uma revelação recente mudou completamente a nossa compreensão dessa peça aparentemente comum. Descobriu-se que não se trata de uma rocha qualquer; é um ovo de dinossauro, adicionando um capítulo emocionante à história do museu.

O Processo de Descoberta

Robin Hansen, um curador de minerais do Museu de História Natural (NHM), foi fundamental para desvendar a verdadeira natureza deste espécime. Foi durante uma viagem a uma exposição de minerais na França que a curiosidade de Hansen foi despertada. Um comerciante apresentou um ovo de dinossauro agatizado, muito semelhante ao espécime no NHM. Este momento desencadeou uma série de investigações, levando a uma descoberta revolucionária.

Hansen compartilhou essa experiência em uma conversa com Josh Davis no NHM. “Foi o momento da lâmpada quando pensei: ‘Espera aí, isso se parece muito com o que acabamos de colocar em exibição no Museu!'” Hansen explicou. A equipe do NHM, incluindo os curadores de dinossauros Professor Paul Barrett e Dr Susie Maidment, decidiu investigar mais a fundo, realizando uma tomografia computadorizada no ovo. Embora o exame tenha sido dificultado pela densidade da ágata, a equipe observou semelhanças na fina camada externa e nas características externas do espécime com ovos de titanossauro conhecidos.

O ovo, originalmente coletado na Índia, compartilha características com ovos de titanossauro da China e Argentina. Datado de 60 milhões de anos atrás, os titanossauros eram prevalentes na Índia. Curiosamente, esses dinossauros maciços colocavam ninhadas de 30-40 ovos e não apresentavam envolvimento parental com sua prole.

A Importância da Descoberta

Esta descoberta sublinha o imenso valor das coleções de museus. Como Hansen observou, “Este espécime é um exemplo perfeito de por que as coleções de museus são tão importantes.” Inicialmente catalogado como uma ágata em 1883, só agora sua verdadeira identidade como ovo de dinossauro veio à luz. A equipe acredita que a atividade vulcânica desempenhou um papel em sua preservação, com o ovo tornando-se encrustado em rocha vulcânica solidificada. Com o tempo, a água rica em sílica infiltrou-se na cavidade do ovo, formando a estrutura de ágata bela observada hoje.

Essa revelação não apenas adiciona uma nova dimensão à nossa compreensão do espécime, mas também destaca a natureza evolutiva do conhecimento científico. O que foi uma vez catalogado com as melhores informações disponíveis agora foi redefinido, mostrando a contínua jornada de descoberta no mundo natural.

Fonte: IFLScience

Deixar comentário

* Ao utilizar este formulário você concorda com o armazenamento e tratamento de seus dados por este site.